Líder da Liga do Norte candidato a primeiro-ministro italiano

| Mundo

O líder da Liga do Norte (extrema direita), Matteo Salvini, apresentou-se hoje como candidato a primeiro-ministro italiano e prometeu a eleição pelo povo dos juízes e "mãos livres" para as forças de segurança.

Durante uma concentração da tradicional festa anual que a Liga do Norte celebra em Pontida, na província setentrional italiana de Bérgamo, o dirigente apareceu com uma camisola com a inscrição "Salvini primeiro".

Salvini reiterou aos possíveis aliados numa coligação de centro-direita a intenção de ser o candidato a presidente do Governo para as próximas eleições gerais, previstas para fevereiro do próximo ano.

No seu discurso, Salvini criticou a justiça, que na semana passada bloqueou as contas do partido (devido a ações do ex-líder Umberto Bossi) e reiterou a proposta de que os juízes "sejam eleitos pelo povo".

Salvini também prometeu que se chegar ao Governo abolirá as leis Mancino e Fiano, ligadas à apologia e propaganda do fascismo. "As ideias não se processam, essas coisas faziam-se na antiga URSS. Os de centro-esquerda comportam-se como o regime dos anos 20, que tapava a boca aos opositores", afirmou.

E disse que dará "mãos livres" à polícia, perante a degradação das cidades e a criminalidade, e prometeu reintroduzir o crime de imigração clandestina.

Perante cerca de 50.000 pessoas, segundo a organização, Salvini advertiu que com ele na liderança do Governo "a Turquia nunca entrará na Europa". E acrescentou: "Ou se mudam os tratados e nos dão a possibilidade de controlar a moeda, os bancos, os portos ou o trabalho, ou é melhor sozinhos".

Tópicos:

Mancino,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.