Mais de 50 soldados afegãos e 10 talibãs mortos em ataque a quartel no Afeganistão

| Mundo

Mais de 50 soldados afegãos e dez talibãs morreram e cerca de 70 militares ficaram feridos hoje num ataque rebelde contra a base do Exército afegão, no norte do Afeganistão.

"O número de [soldados] mortos superou os 50 e o de feridos é agora de 73", disse à agência espanhola Efe um comandante do Exército afegão, sob anonimato, e que referiu que o número de rebeldes mortos ascende a dez.

Um membro do conselho da província de Balkh, onde ocorreu o ataque, disse que pelo menos "66 membros do Exército morreram e 73 ficaram feridos".

O Ministério da Defesa afegão não revelou números sobre o total de vítimas, remetendo essa informação para o final das investigações.

O ataque, que se prolongou durante seis horas, começou pouco depois do meio-dia, quando os soldados saíam da mesquita, após as orações de sexta-feira, no quartel situado no distrito de Dehdadi, explicou um porta-voz do ministério afegão.

Um representante das forças especiais do Exército afegão revelou que a situação "está controlada", com todos os atacantes mortos, alguns dos quais por imolação.

Os rebeldes estavam vestidos com uniformes militares e conseguiram infiltrar-se no quartel no interior de vários veículos do exército.

Os talibãs reivindicaram o ataque através de um comunicado enviado à Efe, afirmando terem matado "mais de uma centena de soldados".

A província de Balkh é uma das mais seguras no Afeganistão.

A violência aumentou neste país asiático desde o final da missão da NATO, a 01 de janeiro de 2015, devido a um avanço dos rebeldes, que reduziram o terreno controlado pelo Governo a 57% do total, de acordo com dados dos Estados Unidos.

Tópicos:

Exército, NATO,

A informação mais vista

+ Em Foco

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.

Constança Urbano de Sousa garante que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.