Mais de 50 soldados afegãos e 10 talibãs mortos em ataque a quartel no Afeganistão

| Mundo

Mais de 50 soldados afegãos e dez talibãs morreram e cerca de 70 militares ficaram feridos hoje num ataque rebelde contra a base do Exército afegão, no norte do Afeganistão.

"O número de [soldados] mortos superou os 50 e o de feridos é agora de 73", disse à agência espanhola Efe um comandante do Exército afegão, sob anonimato, e que referiu que o número de rebeldes mortos ascende a dez.

Um membro do conselho da província de Balkh, onde ocorreu o ataque, disse que pelo menos "66 membros do Exército morreram e 73 ficaram feridos".

O Ministério da Defesa afegão não revelou números sobre o total de vítimas, remetendo essa informação para o final das investigações.

O ataque, que se prolongou durante seis horas, começou pouco depois do meio-dia, quando os soldados saíam da mesquita, após as orações de sexta-feira, no quartel situado no distrito de Dehdadi, explicou um porta-voz do ministério afegão.

Um representante das forças especiais do Exército afegão revelou que a situação "está controlada", com todos os atacantes mortos, alguns dos quais por imolação.

Os rebeldes estavam vestidos com uniformes militares e conseguiram infiltrar-se no quartel no interior de vários veículos do exército.

Os talibãs reivindicaram o ataque através de um comunicado enviado à Efe, afirmando terem matado "mais de uma centena de soldados".

A província de Balkh é uma das mais seguras no Afeganistão.

A violência aumentou neste país asiático desde o final da missão da NATO, a 01 de janeiro de 2015, devido a um avanço dos rebeldes, que reduziram o terreno controlado pelo Governo a 57% do total, de acordo com dados dos Estados Unidos.

Tópicos:

Exército, NATO,

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.