Mais de 50 soldados afegãos e 10 talibãs mortos em ataque a quartel no Afeganistão

| Mundo

Mais de 50 soldados afegãos e dez talibãs morreram e cerca de 70 militares ficaram feridos hoje num ataque rebelde contra a base do Exército afegão, no norte do Afeganistão.

"O número de [soldados] mortos superou os 50 e o de feridos é agora de 73", disse à agência espanhola Efe um comandante do Exército afegão, sob anonimato, e que referiu que o número de rebeldes mortos ascende a dez.

Um membro do conselho da província de Balkh, onde ocorreu o ataque, disse que pelo menos "66 membros do Exército morreram e 73 ficaram feridos".

O Ministério da Defesa afegão não revelou números sobre o total de vítimas, remetendo essa informação para o final das investigações.

O ataque, que se prolongou durante seis horas, começou pouco depois do meio-dia, quando os soldados saíam da mesquita, após as orações de sexta-feira, no quartel situado no distrito de Dehdadi, explicou um porta-voz do ministério afegão.

Um representante das forças especiais do Exército afegão revelou que a situação "está controlada", com todos os atacantes mortos, alguns dos quais por imolação.

Os rebeldes estavam vestidos com uniformes militares e conseguiram infiltrar-se no quartel no interior de vários veículos do exército.

Os talibãs reivindicaram o ataque através de um comunicado enviado à Efe, afirmando terem matado "mais de uma centena de soldados".

A província de Balkh é uma das mais seguras no Afeganistão.

A violência aumentou neste país asiático desde o final da missão da NATO, a 01 de janeiro de 2015, devido a um avanço dos rebeldes, que reduziram o terreno controlado pelo Governo a 57% do total, de acordo com dados dos Estados Unidos.

Tópicos:

Exército, NATO,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.