Marcelo Rebelo de Sousa recebido por Umaro Sissoco Embaló

por Lusa
José Sena Goulão - Lusa

O Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, vai ser esta terça-feira recebido pelo seu homólogo guineense, Umaro Sissoco Embaló, no Palácio Presidencial em Bissau, no segundo e último dia da sua visita oficial à Guiné-Bissau.

Marcelo Rebelo de Sousa começa o dia na Fortaleza Amura, também Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, onde depositará coroas de flores nos túmulos de Amílcar Cabral e João Bernardo "Nino" Vieira, em homenagem aos heróis da luta da independência.

A seguir, o Presidente português desloca-se às novas instalações da RTP/África, em Bissau, seguindo depois para a Presidência guineense para um encontro com o seu homólogo, Umaro Sissoco Embaló. O encontro é seguido de declarações conjuntas à imprensa e de um almoço.

Após o encontro com o chefe de Estado guineense, o Presidente português presta homenagem aos antigos combatentes portugueses da guerra colonial sepultados no cemitério de Bissau.
Deficientes de guerra com o Presidente
Na segunda-feira, o presidente da associação de deficientes de guerra, formada por guineenses que serviram o exército português, disse à Lusa que pretende apresentar a Marcelo Rebelo de Sousa um caderno reivindicativo, que exige, entre vários pontos, a devolução da nacionalidade portuguesa aos ex-militares guineenses.

Marcelo Rebelo de Sousa reúne-se também com o presidente do parlamento, Cipriano Cassamá, e com os líderes das bancadas parlamentares de alguns partidos, nomeadamente Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), Partido da Renovação Social (PRS) e Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB).

Os deputados do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), vencedor das últimas eleições legislativas de 2019, mas atualmente relegado para oposição, não vão estar no encontro, porque consideram que a visita de Marcelo Rebelo de Sousa "serve para apoiar o sistema repressivo e ditatorial que se pretende instalar" na Guiné-Bissau, segundo uma carta enviada à embaixada de Portugal e à qual a Lusa teve acesso.

A visita termina com um encontro com o primeiro-ministro guineense, Nuno Gomes Nabiam, no Palácio do Governo, em Bissau.

Marcelo Rebelo de Sousa chegou segunda-feira a Bissau onde foi recebido por milhares de pessoas que o saudaram durante o percurso de oito quilómetros, entre o aeroporto internacional Osvaldo Vieira e o centro da capital guineense.
Tópicos
pub