Médico e mergulhadores que ficaram junto do grupo também estão fora da gruta

| Mundo

O médico e os três mergulhadores da Marinha tailandesa que permaneceram durante vários dias junto ao grupo preso numa gruta na Tailândia já saíram da caverna e estão "em boas condições", divulgou hoje o líder da operação de resgate.

Em declarações citadas pelas agências internacionais, o responsável e governador da região de Chiang Rai (onde fica localizada a gruta), Narongsak Osottanakorn, destacou igualmente a dificuldade e a grandiosidade da operação de resgate do grupo, composto por jovens futebolistas com idades entre os 11 e os 16 anos e pelo seu treinador de 25 anos, que hoje foi concluída com sucesso.

"Fizemos algo que ninguém imaginou ser possível", disse o responsável.

A terceira fase da operação de resgate foi hoje concluída com a saída das últimas quatro crianças e do treinador.

As restantes crianças já tinham sido resgatadas, igualmente com sucesso, no domingo e na segunda-feira.

A Marinha tailandesa confirmou também a saída segura do médico e dos mergulhadores da gruta, ao publicar uma fotografia dos quatro elementos na sua página oficial na rede social Facebook.

Estes quatro elementos permaneceram junto dos 12 jovens jogadores de futebol e do seu treinador desde que estes foram encontrados pelas autoridades.

O grupo estava preso numa gruta na província de Chiang Rai (no norte da Tailândia), de difícil acesso, desde o passado dia 23 de junho.

Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída da gruta e impediram que as equipas de resgate os encontrassem durante nove dias.

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.