Ministério Público húngaro recorre da condenação de acusados da morte de 71 migrantes

| Mundo

O Ministério Público da Hungria anunciou hoje que vai recorrer da condenação a 25 anos de prisão de quatro acusados da morte por asfixia de 71 migrantes num camião, por considerar que "não reflete" a gravidade do crime.

"O veredicto não reflete suficientemente as condições do crime", afirmou o procurador Gabor Schmidt no tribunal de Kecskemét, que hoje condenou os quatro homens.

O Ministério Público tinha pedido prisão perpétua para os quatro principais acusados, membros de uma rede de tráfico de pessoas.

Para o procurador, os quatro homens deixaram os migrantes sufocar, pelo que devem ser condenados por "homicídios agravados por especial crueldade".

Oriundos da Síria, Iraque e Afeganistão, os migrantes, quatro dos quais eram crianças, morreram asfixiados no compartimento estanque de um camião frigorífico.

Segundo o inquérito, os migrantes -- 59 homens, oito mulheres e quatro crianças - agonizaram durante mais de três horas sem que os traficantes interviessem, apesar dos gritos e pedidos de ajuda.

Os corpos foram encontrados a 27 de agosto de 2015 no interior do veículo, de matrícula húngara, abandonado numa autoestrada no leste da Áustria, perto da fronteira com a Hungria.

Os quatro principais acusados, um afegão e três búlgaros, foram condenados por vários crimes, incluindo homicídio, organização criminosa e tráfico de seres humanos.

Outros dez acusados, na maioria búlgaros, foram condenados a penas de 3 a 12 anos de prisão. Três deles foram condenados à revelia.

A defesa também anunciou que vai recorrer.

Tópicos:

Síria Iraque,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.