Ministério Público húngaro recorre da condenação de acusados da morte de 71 migrantes

| Mundo

O Ministério Público da Hungria anunciou hoje que vai recorrer da condenação a 25 anos de prisão de quatro acusados da morte por asfixia de 71 migrantes num camião, por considerar que "não reflete" a gravidade do crime.

"O veredicto não reflete suficientemente as condições do crime", afirmou o procurador Gabor Schmidt no tribunal de Kecskemét, que hoje condenou os quatro homens.

O Ministério Público tinha pedido prisão perpétua para os quatro principais acusados, membros de uma rede de tráfico de pessoas.

Para o procurador, os quatro homens deixaram os migrantes sufocar, pelo que devem ser condenados por "homicídios agravados por especial crueldade".

Oriundos da Síria, Iraque e Afeganistão, os migrantes, quatro dos quais eram crianças, morreram asfixiados no compartimento estanque de um camião frigorífico.

Segundo o inquérito, os migrantes -- 59 homens, oito mulheres e quatro crianças - agonizaram durante mais de três horas sem que os traficantes interviessem, apesar dos gritos e pedidos de ajuda.

Os corpos foram encontrados a 27 de agosto de 2015 no interior do veículo, de matrícula húngara, abandonado numa autoestrada no leste da Áustria, perto da fronteira com a Hungria.

Os quatro principais acusados, um afegão e três búlgaros, foram condenados por vários crimes, incluindo homicídio, organização criminosa e tráfico de seres humanos.

Outros dez acusados, na maioria búlgaros, foram condenados a penas de 3 a 12 anos de prisão. Três deles foram condenados à revelia.

A defesa também anunciou que vai recorrer.

Tópicos:

Síria Iraque,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

        Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.