Ministra das Finanças da Nigéria demite-se acusada de falsificar isenção do serviço militar

| Mundo

A ministra das Finanças nigeriana demitiu-se devido a acusações de que o certificado que a isenta do serviço militar obrigatório é falso, informou hoje a Presidência da República da Nigéria, a maior economia africana.

"Hoje, tomei conhecimento das conclusões de uma investigação sobre as acusações feitas por um órgão de comunicação social online [o nigeriano `Premium Times`], segundo as quais o certificado de isenção do cumprimento do serviço militar obrigatório, que apresentei, não era genuíno", explicou Kemi Adeosun.

Segundo uma nota da Presidência da República, Adeosun acrescenta: "Acredito que em linha com o foco deste Governo na integridade, tenho de tomar a atitude honrosa e demitir-me".

A ministra garantiu que não fez nada de errado e que foi informada da isenção devido ao facto de morar no Reino Unido e de ter excedido os 30 anos de idade, duas razões para ficar isenta do cumprimento do serviço militar.

O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, colocou o Ministério das Finanças debaixo da supervisão do ministro de Estado encarregue do orçamento e do planeamento nacional, disse a Presidência num email enviado à agência de informação financeira Bloomberg.

A Nigéria está a recuperar da recessão de 2016, originada pela queda dos preços do petróleo, a sua principal exportação, mas os analistas citados pela Bloomberg não esperam uma alteração das políticas públicas nem um impacto na economia do país com a saída de Adeosun.

A até agora ministra das Finanças teve um papel importante na implementação das leis que protegem quem denuncie a corrupção e fez aprovar também alterações ao regime de coleta fiscal para aumentar as receitas do país.

Tópicos:

Bloomberg,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.