Ministro da Defesa israelita quer encerrar embaixada em Dublin

| Mundo

A declaração foi motivada pela aprovação de um projeto-lei no Senado irlandês
|

A Irlanda aprovou, nesta quarta-feira, um projeto-lei que proíbe o país de importar bens dos colonatos israelitas. Após essa medida, o ministro da Defesa israelita, Avigdor Liberman, defendeu esta quinta-feira que a embaixada de Israel em Dublin deveria ser encerrada.

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, defendeu que a embaixada de Israel na capital irlandesa deveria ser encerrada. As suas declarações foram suscitadas pela aprovação de uma lei que proíbe a Irlanda de importar bens provenientes dos colonatos israelitas.

“Israel deveria encerrar a sua embaixada em Dublin imediatamente. Não vamos oferecer a outra face àqueles que nos boicotam”, escreveu o ministro num tweet.

Tal como explica o Times of Israel, o encerramento da embaixada levaria a uma degradação das relações entre os dois países, mas isso não seria o mesmo que quebrar relações diplomáticas.

O projeto-lei, aprovado nesta quarta-feira, obteve 25 votos a favor, 20 votos contra e 14 abstenções. Caso se torne lei, a medida iria boicotar os colonatos israelitas, empreendimentos que, ficando fora do território israelita, são economicamente exploradas por Israel.
Os vários lados da história
Frances Black, um dos senadores irlandeses a favor do projeto-lei, defende que, apesar de os colonatos israelitas serem ilegais pelas normas da União Europeia, dos Estados Unidos e do Governo irlandês, estes “continuam a extrair recursos naturais valiosos e a fazer produção agrícola”, como se pode ler no Jewish News Syndicate.

“Há aqui uma hipocrisia clara: como podemos condenar os colonatos como ‘inequivocamente ilegais’, por roubarem território e recursos, mas depois compramos alegremente os frutos desse crime?”, inquiriu o senador.

Já Lieberman aponta em comunicado para o absurdo da iniciativa do Senado irlandês: “Irá afetar as vidas de muitos palestinianos que trabalham nas zonas industriais de Israel afetadas pelo boicote”, afirma.

Por outro lado, os Palestinianos celebram a aprovação do projeto-lei, dado as terras que supostamente lhes pertencem serem exploradas pelos israelitas.

“Este passo corajoso, motivado pelas relações históricas entre a Irlanda e a Palestina, mostra o caminho a seguir pelo resto da Europa”, afirmou em comunicado Saeb Erekat, oficial da Organização para a Libertação da Palestina.
Medida pode não ser aprovada
O projeto-lei terá agora de passar pela Câmara dos Deputados. No entanto, apesar de o Governo irlandês ser dos mais favoráveis da União Europeia em relação à Palestina, este já se opôs à medida.

Simon Coveney, ministro dos Negócios Estrangeiros e do Comércio, explicou no Senado que o tipo de boicote que o projeto-lei pretende impor é logisticamente impossível, visto o comércio estar ligado com o da União Europeia.

Apesar de lamentar “a grande injustiça” vivida pelos Palestinianos durante décadas, Coveney arugumenta que existem razões políticas e legais importantes que se opõem ao projeto-lei.

Tópicos:

Avigdor, Dublin, Irlanda, Liberman, Palestina, embaixada, encerrada, lei, projeto, Israel,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.