Ministro israelita: o Hamas é "um grupo de canibais"

| Mundo

|

O ministro israelita da Defesa, Avigdor Liberman, acusou o Hamas de usar as mulheres e crianças palestinianas como armas e concluiu que isso faz daquele movimento "um grupo de canibais".

As palavras exactas de Liberman, citadas pelo diário israelita Jerusalem Post, foram as seguintes: "A direcção do Hamas é um grupo de canibais, que trata as suas crianças como armas. Têm mísseis, armas de apoio e um outro tipo de arma: mulheres e crianças".

A isto acrescentou: "O objectivo deles é levantar o bloqueio a Gaza, não para construir a sua economia ou para manter conversações sobre coexistência, mas antes para contrabandear armas [para Gaza], para continuar a alargar a sua força militar e a criar uma pseudo-réplica do Hezbollah".

Avigdor Liberman é o mais notório representante da extrema-direita no Governo chefiado por Benjamin Netanyahu. Antes de sobraçar a pasta da Defesa estivera à frente do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Seguindo o mesmo guião, o coronel Richard Kemp declarou: "O Hamas orquestrou a violência e orquestrou-a com o objectivo deliberado de forçar o IDF [Exército israelita] a usar força letal contra o seu povo, para que o seu própio povo fosse morto".

Por seu lado, também a embaixadora norte-americana à ONU, Nikki Haley, bateu na mesma tecla, afirmando: "Não se enganem: o Hamas está contente com os resultados de ontyem [mais de 60 mortos]", porque, alegadamente, usou "altifalantes para instar os manifestantes a atravessarem a barreira, e para falsamente dizer que os soldados isrealitas estavam a fugir, que não é verdade".

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.