MNE russo classifica de "palavreado" acusações dos EUA

| Mundo

As acusações de ingerência russa nas eleições norte-americanas são "palavreado", disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, um dia após a acusação de 13 russos por suposta intromissão nas eleições presidenciais dos Estados Unidos.

Em Washington, na sexta-feira, o gabinete do procurador especial Robert Mueller anunciou que um grande júri acusou formalmente 13 cidadãos russos e três entidades russas de interferência no processo eleitoral norte-americano de 2016.

"Enquanto não temos factos tudo isso é palavreado", disse hoje Serguei Lavrov, questionado na Conferência de Segurança em Munique a propósito das acusações dos Estados Unidos.

O diplomata recusou-se a comentar as acusações, dizendo que as declarações das autoridades dos Estados Unidos são contraditórias. "Não tenho nenhuma reação porque tudo, e não importa o quê, é publicado. Vemos uma proliferação de acusações, afirmações e declarações", disse.

Lavrov acrescentou que o vice-Presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, e um oficial do departamento norte-americano de Segurança Interna tinham garantido que "nenhum país influenciou o resultado das eleições norte-americanas".

O ministro denunciou no seu discurso o que chamou a propagação do "mito irracional da ameaça russa" no ocidente e acrescentou que se queria ver o "dedo" do Kremlin desde o "Brexit" (saída do Reino Unido da União Europeia) ao referendo na Catalunha, Espanha.

Na sexta-feira uma porta-voz oficial do Governo da Rússia já tinha considerado "absurda" a acusação dos Estados Unidos.

"Treze pessoas interferiram nas eleições americanas? Treze? Com os orçamentos de milhares de milhões de dólares das forças especiais? Com a espionagem e contraespionagem? Com as tecnologias mais recentes?", escreveu a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, na rede social Facebook.

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.