Moçambique levanta alerta para cheias e inundações no norte e centro do país

| Mundo

Moçambique levantou o alerta de cheias e inundações que vigorava desde dezembro em sete províncias do centro e norte do país, anunciou hoje o Governo no portal da Internet.

O Conselho Técnico de Gestão de Calamidades (CTGC) considera ser mínimo o risco de novas emergências devido às chuvas, referiu o executivo.

"Com base nas previsões, o CTGC decidiu levantar o alerta laranja nas regiões centro e norte do país, que vigora desde dezembro", lê-se na deliberação do órgão.

O último balanço das intempéries da época chuvosa, iniciada em outubro, aponta para a morte de 61 pessoas, num universo de cerca de 150 mil afetadas.

O CTGC junta o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) de Moçambique, parceiros nacionais e estrangeiros.

Ainda segundo o mesmo órgão, mantêm-se as restrições no abastecimento de água à região de Maputo, dado que a bacia hidrográfica do rio Umbelúzi registou "acréscimos insignificantes" de caudal durante a época chuvosa, que "praticamente chegou ao fim".

"Face à situação de contínua seca na bacia do Umbelúzi e na barragem dos Pequenos Libombos, de forma particular, as restrições que se registam no abastecimento de água às cidades de Maputo, Matola e à vila de Boane não têm fim à vista" e "poderão agravar-se ainda mais", lê-se no portal do Governo.

Para quem tem acesso à rede pública, a água corre nas torneiras apenas durante algumas horas de alguns dias da semana, havendo habitações que recorrem a depósitos que enchem durante esse período.

Tópicos:

Calamidades INGC, Umbelúzi,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.