Moçambique levanta alerta para cheias e inundações no norte e centro do país

| Mundo

Moçambique levantou o alerta de cheias e inundações que vigorava desde dezembro em sete províncias do centro e norte do país, anunciou hoje o Governo no portal da Internet.

O Conselho Técnico de Gestão de Calamidades (CTGC) considera ser mínimo o risco de novas emergências devido às chuvas, referiu o executivo.

"Com base nas previsões, o CTGC decidiu levantar o alerta laranja nas regiões centro e norte do país, que vigora desde dezembro", lê-se na deliberação do órgão.

O último balanço das intempéries da época chuvosa, iniciada em outubro, aponta para a morte de 61 pessoas, num universo de cerca de 150 mil afetadas.

O CTGC junta o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) de Moçambique, parceiros nacionais e estrangeiros.

Ainda segundo o mesmo órgão, mantêm-se as restrições no abastecimento de água à região de Maputo, dado que a bacia hidrográfica do rio Umbelúzi registou "acréscimos insignificantes" de caudal durante a época chuvosa, que "praticamente chegou ao fim".

"Face à situação de contínua seca na bacia do Umbelúzi e na barragem dos Pequenos Libombos, de forma particular, as restrições que se registam no abastecimento de água às cidades de Maputo, Matola e à vila de Boane não têm fim à vista" e "poderão agravar-se ainda mais", lê-se no portal do Governo.

Para quem tem acesso à rede pública, a água corre nas torneiras apenas durante algumas horas de alguns dias da semana, havendo habitações que recorrem a depósitos que enchem durante esse período.

Tópicos:

Calamidades INGC, Umbelúzi,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.