Movimento independentista de Cabinda convida Costa a visitar território

| Mundo

O movimento independentista da província angolana de Cabinda convidou hoje o primeiro-ministro português, António Costa, que chega na segunda-feira a Luanda, a visitar o território encravado na RDCongo, indica hoje um comunicado da FLEC/FAC.

No documento, enviado hoje à agência Lusa, a Direção Político-Militar da Frente de Libertação do Estado de Cabinda - Forças Armadas de Cabinda (FLEC/FAC) adianta que o convite se destina a que António Costa possa "inteirar-se pessoalmente da realidade, longe da máquina de propaganda angolana, a encontrar os seus compatriotas cabindeses e reunir com as chefias militares e políticas do movimento independentista.

"A FLEC/FAC e todos os cabindeses acreditam que, por intermédio de Portugal e da vontade e coragem do senhor primeiro-ministro de Portugal, António Costa, uma solução que ponha fim ao conflito em Cabinda poderá ser encontrada", lê-se no comunicado, assinado por Emmanuel N`zita, presidente da FLEC/FAC, chefe do Governo provisório e também chefe supremo das FAC.

No comunicado o presidente do movimento pede ainda a António Costa, que, durante a sua visita a Angola, interceda junto do presidente angolano João Lourenço "a favor de uma paz negociada para Cabinda", acrescentou.

Emmanuel N`zita declarou que a direção político-militar da FLEC/FAC "ainda acredita" que Portugal pode ter "o papel principal nas negociações que levem ao estabelecimento definitivo da paz" em Cabinda.

A FLEC/FAC refere que António Costa deve ter em conta "os vínculos históricos e a herança que une as duas Nações" e "o apego inabalável dos cabindas a Portugal".

Emmanuel N`zita disse ainda que deposita em António Costa "toda e total confiança para defender a dignidade do povo de Cabinda, acabar com o sofrimento do povo cabindês e dar um passo firme para o fim da guerra em Cabinda".

A 06 deste mês, num outro comunicado, a FLEC/FAC afirmou "lamentar o silêncio cúmplice" de António Costa perante a "repressão militar angolana no território ocupado", constituindo uma "atitude que envergonha todos os Estados-membros da CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa], sobretudo a nação portuguesa".

"Denunciamos o silêncio do Governo português, em particular a cumplicidade do primeiro-ministro português [António Costa] com a Angola de João Lourenço, que reprime a população indefesa de Cabinda", lê-se no comunicado, assinado por Jean Claude Nzita, secretário para a Informação e Comunicação e porta-voz da FLEC/FAC.

No comunicado, o movimento refere que o Governo português "continua a fechar os olhos à política agressiva de Angola em Cabinda, o que é um escândalo histórico" e pede aos países-membros da CPLP "que reconheçam Cabinda como membro de pleno direito" da organização, "apesar da influência do Governo angolano na organização".

A FLEC luta pela independência de Cabinda, território encravado na costa atlântica da República Democrática do Congo (RDCongo), alegando que o enclave era um protetorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885, e não parte integrante do território angolano.

Emmanuel N`zita é presidente da FLEC/FAC e sucedeu a N`zita Tiago, líder histórico do movimento independentista Cabinda, que morreu a 03 de junho de 2016, aos 88 anos.

Criada em 1963, a organização independentista dividiu-se e multiplicou-se em diferentes fações, efémeras, com a FLEC/FAC a manter-se como o único movimento que mantém a resistência armada contra a administração de Luanda.

Tópicos:

Cabinda, Democrática, Emmanuel N, FLEC FAC, Tratado,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.