Nova coordenadora reafirma compromisso das Nações Unidas com Cabo Verde

| Mundo

A nova coordenadora das Nações Unidas em Cabo Verde, Ana Patrícia Graça, reafirmou hoje o compromisso da organização com o desenvolvimento do país ao entregar, na cidade da Praia, as cartas credenciais ao ministro dos Negócios Estrangeiros.

"Aproveito para reafirmar o compromisso absoluto das Nações Unidas para continuar a trabalhar e a acompanhar o Governo e o país no alcance dos seus objetivos de desenvolvimento sustentável", disse Ana Patrícia Graça.

A responsável lembrou que as grandes linhas de trabalho entre Cabo Verde e a ONU estão definidas e passam por questões como o apoio do reforço institucional nas áreas do desenvolvimento sustentável, gestão sustentável do ambiente e da biodiversidade, crescimento do capital humano, desenvolvimento económico e apoio às populações mais desfavorecidas.

"Trabalharemos em conjunto para o alcance desses objetivos já definidos", disse.

Ana Patrícia Graça, que chega a Cabo Verde numa altura em que o país atravessa uma das piores secas em décadas e tem em curso um programa de emergência para resposta ao mau ano agrícola, disse ainda que esta área irá merecer a atenção especial das Nações Unidas.

"Cabo Verde tem um plano em marcha e tanto a FAO (Organização para a Alimentação e Agricultura) como todo sistema das Nações Unidas têm estado a acompanhar o que é que se pode fazer numa perspetiva estruturante de apoiar a resiliência numa área que é vital para o desenvolvimento económico. Vamos continuar a acompanhar e a trabalhar com todos os parceiros", disse.

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros cabo-verdiano, Luís Filipe Tavares, manifestou satisfação por a nova coordenadora ser portuguesa e conhecer bem Cabo Verde e os desafios que o país enfrenta.

"Obviamente que está em representação do Sistema das Nações Unidas, mas apreciamos muito o facto de termos uma portuguesa a trabalhar connosco da mesma forma que ficamos muito felizes quando o engenheiro António Guterres foi nomeado secretário-geral das Nações Unidas. Estamos a trabalhar com uma organização internacional muito importante que é representada por uma cidadã de um país irmão", disse.

Luís Filipe Tavares fez um balanço positivo da cooperação com as Nações Unidas e manifestou a expectativa de que seja possível, com a ajuda da organização, mobilizar mais parceiros para o financiamento do Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável (PEDS).

"Falamos a mesma língua, conhece os nossos problemas e os nossos desafios e penso que, além da disponibilidade institucional, há grande disponibilidade pessoal para ajudar Cabo Verde a vencer os desafios que tem pela frente", reforçou.

Jurista e especialista em direito internacional, Ana Patrícia Graça era assessora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Nova Iorque quando foi nomeada.

Em Cabo Verde irá coordenar o Sistema das Nações Unidas, representando também o PNUD, UNFPA (Fundo das Nações Unidas para a População) e Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

De nacionalidade portuguesa, iniciou-se profissionalmente como defensora pública e advogada num escritório privado português (1996-2001) e ao longo da sua carreira ocupou vários postos nas Nações Unidas, tendo passado por Angola, Guiné-Bissau e Timor-Leste,

É mestre em direito internacional e europeu e licenciada em Direito, com especialização em Relações Políticas, pela Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa.

Antes de ingressar nas Nações Unidas, exerceu funções de assessora jurídica na Assistência Médica Internacional (1998-2001).

Ana Patrícia Graça sucede a Ulrika Richardson-Golinski, que terminou em abril a sua missão de cinco anos em Cabo Verde, tendo assumido o cargo de coordenadora residente das Nações Unidas no Kosovo.

Tópicos:

Assistência Médica, Verde,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.