Nova ronda negocial para a paz na Síria marcada para dia 23 em Genebra

| Mundo

A quinta ronda de diálogo para a paz sobre o conflito sírio começa na quinta-feira, em Genebra, na Suíça, com a presença dos mesmos representantes da oposição que estiveram no último encontro.

Um breve comunicado do gabinete do enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, limita-se a indicar que os participantes vão ser os mesmos, mas sem nomear os participantes.

Na última reunião, que se realizou no final do mês de fevereiro, além da delegação do governo, estiveram presentes as três delegações da oposição: a Comissão Suprema para as Negociações (composta por cinquenta por cento dos opositores exilados e rebeldes armados), a Plataforma do Cairo e o Grupo de Moscovo, formações políticas toleradas pelo regime de Damasco.

Nos últimos dias, havia dúvidas sobre a participação da oposição no encontro de Genebra devido à ausência dos representantes dos grupos armados na última reunião de Astana, no Cazaquistão, que chegou a alcançar um frágil cessar das hostilidades no passado dia 30 de dezembro.

Os entraves que se registaram na última reunião na capital do Cazaquistão provocaram receios sobre um eventual boicote ao processo de diálogo promovido pelas Nações Unidas, na Suíça.

As reuniões agendadas para o dia 23 de março vão começar com encontros bilaterais presididos por Ramzy Ezzeldin Ramzy, adjunto do enviado especial da ONU.

Segundo a agência EFE, Ramzy está a preparar o formato da ronda que provavelmente vai decorrer de "forma indireta", tal como aconteceu em encontros anteriores, e que exclui negociações diretas entre as partes.

Esta semana, o enviado especial das Nações Unidas vai visitar várias capitais de países com influência sobre as partes em conflito para poder reunir apoios diplomáticos.

Após a visita a Riade, no sábado, De Mistura vai deslocar-se a Ancara e Moscovo e posteriormente a Amã, para informar a Liga Árabe, que se reúne na capital da Jordânia.

O mediador principal vai estar ausente durante o arranque da ronda mas prevê encontrar-se com todas as partes na sexta-feira sendo que, após as reuniões, vai pronunciar-se sobre as reuniões durante uma conferência de imprensa.

Segundo a agência de notícias espanhola, é possível que a ronda negocial venha a prolongar-se até ao dia 01 de abril.

No último encontro de Genebra promovido pelas Nações Unidas as partes concordaram discutir a criação de um "governo credível e não sectário" nos próximos seis meses e elaborar uma nova Constituição, no mesmo período.

O comunicado final da última reunião refere também que as partes comprometeram-se a discutir a realização de eleições livres, sob a supervisão das Nações Unidas, com a participação da diáspora, num prazo de 18 meses.

Os participantes chegaram também a acordo sobre discussões acerca da luta antiterrorista.

No final da última reunião de Genebra, o mediador pediu para que os pontos de consenso venham a ser discutidos acrescentando que as partes devem promover a participação de mais mulheres, "de forma ativa", nas negociações de paz.

 

 

Tópicos:

Astana, Genebra, Síria Staffan,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.