Nova Zelândia aprova retirada das condenações de homossexuais anteriores a 1986

| Mundo

O Parlamento da Nova Zelândia aprovou uma lei que retira do registo criminal as condenações por homossexualidade, anteriores à sua descriminalização, em 1986, foi hoje noticiado.

"Gostaria de pedir desculpas novamente a todos os homens e membros da comunidade homossexual que foram prejudicados pelos danos, estigma e outros efeitos negativos das condenações por crimes homossexuais", afirmou o ministro da Justiça neozelandês, Andrew Little.

"Esta lei envia uma mensagem clara de que a discriminação contra os homossexuais não é mais aceitável e que estamos comprometidos em corrigir os erros do passado", acrescentou.

Apesar da homossexualidade ter sido descriminalizada na Nova Zelândia em 1986, as condenações das pessoas ainda constavam nos seus registos criminais.

A nova lei foi votada por unanimidade na terça-feira à noite.

De acordo com as estimativas daquele Ministério, existem cerca de mil pessoas que podem agora exercer o direito de retirar estas antigas condenações, quando o processo entrar em vigor no próximo ano.

Depois de descriminalizar a homossexualidade em 1986, a Nova Zelândia proibiu a discriminação contra homossexuais em 1993 e legalizou o casamento 'gay' em 2013.

Tópicos:

Zelândia,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.