Olga Tokarczuk e Peter Handke distinguidos com Nobel da Literatura

por RTP
Este foi o quarto dos seis prémios mais cobiçados do mundo a ser distribuído Academia Sueca

Os prémios Nobel da Literatura de 2018 e 2019 foram atribuídos à polaca Olga Tokarczuk e ao austríaco Peter Handke, respetivamente. O anúncio foi feito esta quinta-feira, em Estocolmo.

A polaca Olga Tokarczuk e o austríaco Peter Handke foram os galardoados do prémio Nobel da Literatura de 2018 e 2019.

O Nobel de 2018 foi igualmente anunciado esta quinta-feira depois de, o ano passado, ter sido cancelada a entrega deste prémio no seguimento de um escândalo de abuso sexual e crimes financeiros que afetou a Academia sueca.

Olga Tokarczuk junta-se, desta forma, à minoria de mulheres galardoadas com este prémio literário. Desde 1901, um total de 116 escritores – dos quais apenas 15 são mulheres – foram distinguidos com o Nobel da Literatura.

Este foi o quarto dos seis prémios mais cobiçados do mundo a ser distribuído. Resta o Nobel da Paz, que revelará a pessoa distinguida na próxima sexta-feira, e o Nobel da Economia que será anunciado a 14 de outubro.
“Uma imaginação narrativa”
A Academia decidiu distinguir Olga Tokarczuk “por uma imaginação narrativa que, com paixão enciclopédica, representa o cruzamento de fronteiras como forma de vida”.


No Twitter, a Academia continua a descrever a polaca como uma escritora que “nunca vê a realidade como algo estável ou eterno. Ela constrói os seus romances numa tensão entre opostos culturais; natureza versus cultura, razão versus loucura, masculino versus feminino, lar versus distanciamento”.

“Escrituras de Jacó” é a obra de Olga Tokarczuk que, na opinião do Comité do Nobel da Literatura, merece destaque. “Neste trabalho ela mostrou a capacidade extrema do romance de representar um caso quase além da compreensão humana”, descreve a Academia.

“Conduz o Teu Arado sobre os Ossos dos Mortos” é o mais recente livro de Olga Tokarczuk, que chega às livrarias portuguesas na próxima segunda-feira. “Um dos escritores mais influentes”
Sobre o austríaco Peter Handke, o Comité do Nobel da Literatura justifica a sua distinção com o Nobel da Literatura de 2019 pelo seu “trabalho influente que, com engenho linguístico, explorou a periferia e a especificidade da experiência humana”.


A Academia descreve Peter Handke como “um dos escritores mais influentes da Europa após a Segunda Guerra Mundial”, destacando a sua primeira obra “Die Hornissen”, publicada em 1966, bem como o livro “Offending the Audience”.

Destacam ainda que a “arte peculiar” do escritor austríaco consiste na sua “extraordinária atenção às paisagens e a presença material do mundo, o que tornou o cinema e a pintura duas das suas maiores fontes de inspiração”.

Os rumores de que os prémios Nobel da Literatura de 2018 e 2019 poderiam ser atribuídos a uma mulher ou a um autor de língua não inglesa, ganharam força depois de o presidente do Comité do Nobel de Literatura ter revelado que os critérios foram alterados, valorizando uma perspetiva menos "eurocêntrica".

“Tínhamos uma perspetiva mais eurocêntrica da literatura e agora estamos a olhar para todo o mundo. Anteriormente era muito mais voltado para homens. Agora temos tantas escritoras que são realmente fantásticas, pelo que esperamos que o prémio e todo o processo do prémio tenham sido intensificados e tenham um âmbito muito mais alargado”, disse Anders Olsson ao The Guardian.

Em 2017, o Nobel da Literatura foi entregue a Kazuo Ishiguro. Bob Dylan, em 2016, foi o primeiro músico e compositor a ser galardoado com este prémio, tendo gerado uma onda de polémica.

Em 1998, foi a vez de o escritor português José Saramago ser o laureado do Nobel da Literatura.

Nas palavras de Alfred Nobel, o prémio é atribuído ao “trabalho mais notável numa direção ideal”. Os laureados recebem um prémio no valor de 9 milhões de coroas suecas (cerca de 827 mil euros).
Tópicos