OMS. Taxa de infeção por Covid-19 está próxima do valor mais elevado desde o início da pandemia

por RTP
Kacper Pempel - Reuters

O número de novos casos por semana a nível mundial quase duplicou nos últimos dois meses e está próximo do valor mais elevado até agora registado, diz o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). A situação na Índia é uma das mais preocupantes atualmente, tendo reportado o maior número de casos de Covid-19 no mundo no último mês.

“Os casos de infeção e as mortes continuam a aumentar a velocidades preocupantes”, alertou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, durante uma conferência de imprensa que decorreu esta sexta-feira.

No último relatório, a 13 de abril, a OMS comunicou que o número de casos de Covid-19 a nível global aumentou pela sétima semana consecutiva, com mais de 4,5 milhões de novos casos reportados na última semana. O número de óbitos também aumentou pela quarta semana consecutiva, registando um aumento de sete por cento em relação à semana anterior, com mais de 76 mil mortes reportadas.
Segundo os dados da OMS, foram já registados mais de 138,4 milhões de casos de Covid-19 em todo o mundo e há perto de três milhões de mortes confirmadas, sendo que um milhão dos óbitos foram registados na Europa.
Os maiores aumentos nos novos casos foram registados na Índia (873.296 novos casos, o que representa um aumento de 70 por cento), nos Estados Unidos (468.395 novos casos, o que se traduz num aumento de cinco por cento), no Brasil (com 463.092 novos casos, o que representa uma redução de oito por cento), na Turquia (353.281 novos casos, um aumento de 33 por cento) e em França (265.444 novos casos, o que se traduz num aumento de nove por cento).

Todas as semanas surgem, em território europeu, mais de um milhão e seiscentos mil novos infetados, apesar das restrições impostas pelos vários países e da campanha de vacinação em curso.
Índia com recorde de infeções pelo oitavo dia consecutivo
A situação na Índia é uma das mais preocupantes atualmente, tendo reportado o maior número de casos de Covid-19 no mundo no último mês.

O país voltou a registar esta sexta-feira um recorde de novas infeções por Covid-19, impulsionado pelos aglomerados em eventos religiosos e pelos comícios eleitorais.

Esta sexta-feira, a Índia registou 217.353 novos casos, o que marca o oitavo dia consecutivo de um aumento diário recorde. A Índia é o segundo país a nível mundial com o maior número de casos reportados, cerca de 14,3 milhões. O país regista ainda um total de 174.308 mortes desde o início da pandemia.

Enquanto o país luta contra uma segunda onda da pandemia de Covid-19, com novas restrições impostas em Mumbai, Nova Deli e outras cidades, crescem os apelos para que as autoridades acelerem o programa de vacinação, alertando que os hospitais estão sobrelotados.

Até ao momento, a Índia já administrou 115 milhões de doses de vacinas, o terceiro maior número a nível mundial, depois dos EUA e da China. No entanto, esse número de doses administradas cobre apenas uma pequena fração dos seus 1,35 mil milhões de habitantes.

O país atingiu o seu recorde de administração de vacinas a 5 de abril, com 4,5 milhões de doses administradas, mas desde então tem vindo a decrescer, enquanto as infeções aumentam exponencialmente.

A desaceleração na vacinação justifica-se pela falta de vacinas no país, que até agora foi um grande exportador.

A Índia está a vacinar apenas pessoas com mais de 45 anos, tendo dado início à sua campanha de vacinação em meados de janeiro, inoculando primeiramente os profissionais de saúde e depois outros trabalhadores da linha da frente.

Muitos Estados indianos têm procurado ampliar a campanha de vacinação, de forma a incluir todos os adultos, mas o Governo já alertou que as doses são “finitas”, embora suficientes para cobrir os grupos prioritários.

O executivo indiano disse na sexta-feira que o país tem um stock de cerca de 30 milhões de doses de vacinas, o que, seguindo a tendência de imunização da Índia na semana passada, será o suficiente para durar dez dias.

Com a nova vaga de infeções, o Governo indiano decidiu mudar de estratégia e alterou as regras para permitir uma aceleração da importação de vacinas. O país comprará ainda este mês várias doses da vacina russa Sputnik V, esperando vacinar até 125 milhões de pessoas.

A Índia está atualmente a administrar a vacina da Covaxin e da AstraZeneca. Segundo a agência Reuters, o país também procura importar vacinas da Pfizer, Moderna e da Johnson & Johnson.

c/agências
Tópicos
pub