Pais de Melania Trump tornam-se americanos

| Mundo

Os pais da primeira-dama, naturais da Eslovénia, têm vivido nos Estados Unidos através de vistos de residência
|

Os pais de Melania Trump receberam esta semana a cidadania americana. Esta foi obtida por intermédio da primeira-dama dos Estados Unidos, num processo que a Administração Trump pretende eliminar.

Viktor Knavs e Amalija Knavs, pais de Melania Trump, receberam esta quinta-feira a cidadania americana, de acordo com um anúncio feito pelo seu advogado, Michael Wildes.

“Correu tudo bem e eles estão muito gratos por este dia maravilhoso para a sua família”, declarou o advogado à CNN.

Os pais da primeira-dama, naturais da Eslovénia, têm vivido nos Estados Unidos através de vistos de residência – os chamados green cards - que lhes permitiram viver e trabalhar nos Estados Unidos sem terem data de partida. Estes vistos acabaram por contribuir para a garantia da cidadania.

Segundo a CNN, uma fonte com conhecimento direto do estatuto de imigrante dos pais de Melania revelou que esses vistos foram conseguidos pela primeira-dama.

Isto porque, nos Estados Unidos, existem quatro formas de obter o visto de residência: por parentesco, por investimento num negócio, através de um contrato de trabalho ou por casamento com um cidadão norte-americano.

Donald Trump tem-se mostrado fortemente contra a obtenção do visto através de graus de parentesco, à qual se refere como “emigração em cadeia”. Num dos seus tweets pode ler-se: “A emigração em cadeia deve acabar agora! Algumas pessoas entram no país e trazem a família inteira com eles, que podem ser verdadeiramente más. NÃO É ACEITÁVEL!”.


O Presidente dos Estados Unidos defende que os vistos de residência deviam abranger apenas casais e menores, deixando de parte jovens adultos, irmãos e pais – condição sobre a qual a primeira-dama conseguiu os dois vistos de residência.
“Um caso de imigração bem feito”
Não é claro há quanto tempo é que os pais de Melania Trump possuem os vistos de residência. Esse é um fator importante porque, nos Estados Unidos, quem se quer candidatar à cidadania deve possuir esses vistos durante pelo menos cinco anos. Para além disso têm de preencher outros requisitos, como dar provas de que conhecem as regras cívicas do país.

Feita a candidatura, o processo pode demorar entre 11 a 26 meses, caso se peça a naturalidade para a cidade de Nova Iorque, de acordo com os Serviços de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos.

No entanto, o advogado de ambos garantiu que “o pedido, o processo e a entrevista [para obter a cidadania] não foram diferentes dos que são feitos pot toda a gente”. Acrescentou que o casal cumpriu com os cinco requisitos obrigatórios para a obtenção da cidadania.

“Isto é um exemplo de um caso de imigração bem feito”, concluiu Michael Wildes.

Por norma, as cerimónias de obtenção de cidadania são eventos de grandes dimensões, nos quais vários imigrantes fazem o juramento e se tornam oficialmente cidadãos americanos. No caso dos pais de Melania Trump, foi feita uma cerimónia privada “por questões de segurança”, de acordo com Michael Wildes.

Melania Trump, na altura Melanija, nasceu na Eslovénia em 1970. Obteu a cidadania americana em 2006, mas devido à sua carreira de modelo já tinha estava no país há alguns anos, graças ao chamado “Visto Einstein”, entregue a ”indivíduos com capacidades extraordinárias”.

A primeira-dama não esteve presente na cerimónia.

Tópicos:

Administração Trump, Donald Trump, Melania Trump, imigrantes, pais, visto de residência, Estados Unidos,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

        Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.