Paquistão reabre fronteira com Afeganistão fechada há mais de um mês

| Mundo

O Paquistão reabriu hoje a fronteira com o Afeganistão, encerrada há mais de um mês após um ataque que fez 88 mortos e levou Islamabad a acusar Cabul de permitir grupos rebeldes que atentam contra solo paquistanês.

"A passagem de Torkham abriu esta manhã às 07:00" (02:00 em Lisboa), disse Asif Iqbal, porta-voz da administração da agência de Khyber, onde se encontra a principal travessia fronteiriça entre ambos os países, em declarações à agência noticiosa espanhola Efe.

Asif Iqbal indicou que os afegãos com documentos em dia poderão entrar em território paquistanês.

A reabertura tem lugar um dia depois da ordem para o efeito dada pelo primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, "como gesto de boa vontade" e apesar "de recentes atentados terroristas no Paquistão estarem ligados a inimigos do país presentes em solo afegão".

O governo paquistanês encerrou a fronteira em 16 de fevereiro, após um ataque suicida contra um santuário sufista que causou 88 mortos no sul do país.

Na altura, acusou o Afeganistão de permitir no seu território a presença de grupos insurgentes que atentam contra o Paquistão.

O governo afegão denunciou, por seu turno, que desde então o Paquistão bombardeou, com morteiros o seu território, e levou a cabo várias incursões aéreas e terrestres que, desde o início do ano, superaram meia centena, segundo a versão afegã.

O Afeganistão pede há semanas a reabertura das passagens fronteiriças, cujo encerramento causa prejuízos milionários aos seus empresários, especialmente nas zonas limítrofes, além de ter deixado isoladas as pessoas surpreendidas pelo encerramento de ambos os lados da linha divisória.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.