Paris com segurança reforçada após atentado nos Campos Elísios

| Mundo
Paris com segurança reforçada após atentado nos Campos Elísios

O Estado Islâmico reivindicou o ataque de ontem à noite em Paris em que um homem armado disparou sobre polícias nos Campos Elísios. O atacante matou um dos agentes e feriu gravemente outros dois tendo acabado morto. Na comunicação efetuada através do canal de propaganda o Daesh dentifica o autor do ataque como sendo um soldado de nome Abu Yousif, também conhecido como "o belga".

Antes deste comunicado do grupo extremista já o Presidente francês François Hollande ligava o ataque ao terrorismo e anunciava uma reunião do conselho de segurança para as 8h00 desta sexta-feira, confirmando a existência de vítimas.

Este ataque acontece a três dias da primeira volta das eleições presidenciais francesas e François Hollande fez questão de assegurar que as autoridades estarão particularmente vigilantes durante o ato eleitoral de domingo.

O tema do terrorismo já vinha marcando a agenda de alguns dos candidatos e este ataque no centro de Paris levou a que a dirigente da extrema-direita Marine le Pen e o conservador François Fillon cancelassem as ações de campanha previstas para esta sexta feira, como conta o jornalista da Antena 1, em Paris, Frederico Moreno.



O antigo presidente do Instituto de Estudos Estratégicos em Paris, Álvaro Vasconcelos, acredita que precisamente Marine le Pen e François Fillon vão tentar tirar partido deste ataque em Paris.



Estados Unidos, Alemanha, Espanha e Portugal já condenaram este ataque em França.

Donald Trump lamentou o sucedido e classificou como terrível o que se passa no mundo atualmente.

A chanceler alemã Angel Merkel exprimiu solidariedade para com as vítimas e familiares e apresentou as condolências ao presidente Hollande.

Também Espanha se mostrou ao lado de França. Mariano Rajoy, o chefe do governo espanhol fala em preocupação com o atual momento.

O Presidente português enviou uma mensagem de condolências a François Hollande. Marcelo Rebelo de Sousa fala em consternação e em mais um momento de inquietação.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.