Paris com segurança reforçada após atentado nos Campos Elísios

| Mundo
Paris com segurança reforçada após atentado nos Campos Elísios

O Estado Islâmico reivindicou o ataque de ontem à noite em Paris em que um homem armado disparou sobre polícias nos Campos Elísios. O atacante matou um dos agentes e feriu gravemente outros dois tendo acabado morto. Na comunicação efetuada através do canal de propaganda o Daesh dentifica o autor do ataque como sendo um soldado de nome Abu Yousif, também conhecido como "o belga".

Antes deste comunicado do grupo extremista já o Presidente francês François Hollande ligava o ataque ao terrorismo e anunciava uma reunião do conselho de segurança para as 8h00 desta sexta-feira, confirmando a existência de vítimas.

Este ataque acontece a três dias da primeira volta das eleições presidenciais francesas e François Hollande fez questão de assegurar que as autoridades estarão particularmente vigilantes durante o ato eleitoral de domingo.

O tema do terrorismo já vinha marcando a agenda de alguns dos candidatos e este ataque no centro de Paris levou a que a dirigente da extrema-direita Marine le Pen e o conservador François Fillon cancelassem as ações de campanha previstas para esta sexta feira, como conta o jornalista da Antena 1, em Paris, Frederico Moreno.



O antigo presidente do Instituto de Estudos Estratégicos em Paris, Álvaro Vasconcelos, acredita que precisamente Marine le Pen e François Fillon vão tentar tirar partido deste ataque em Paris.



Estados Unidos, Alemanha, Espanha e Portugal já condenaram este ataque em França.

Donald Trump lamentou o sucedido e classificou como terrível o que se passa no mundo atualmente.

A chanceler alemã Angel Merkel exprimiu solidariedade para com as vítimas e familiares e apresentou as condolências ao presidente Hollande.

Também Espanha se mostrou ao lado de França. Mariano Rajoy, o chefe do governo espanhol fala em preocupação com o atual momento.

O Presidente português enviou uma mensagem de condolências a François Hollande. Marcelo Rebelo de Sousa fala em consternação e em mais um momento de inquietação.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.