Partidos opositores ao PR da Guiné-Bissau propõem soluções para crise política

| Mundo

Um coletivo de 15 partidos que contestam o Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, divulgou hoje uma carta aberta na qual apresentam ao chefe de Estado soluções para acabar com a crise política que afeta o país.

A carta aberta hoje apresentada, em conferência de imprensa, exige a José Mário Vaz que demita o Governo de Umaro Sissoco Embaló por ser "ilegítimo, inconstitucional e ilegal".

Para os subscritores do documento de nove páginas, o Governo de Sissoco Embaló, por não ter mandato e legitimidade, não pode continuar a governar o país e "muito menos" organizar as próximas eleições legislativas previstas para 2018.

O grupo, que se assume como coletivo de partidos políticos democráticos, quer que José Mário Vaz nomeie o dirigente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Augusto Olivais, primeiro-ministro, como, dizem, prevê o Acordo de Conacri.

Com a aplicação daqueles instrumento patrocinado pela comunidade oeste africana, o coletivo acredita que a crise política terminará na Guiné-Bissau e a normalidade institucional irá regressar até à realização das eleições.

Ainda na conferência de imprensa, em que estiveram presentes também militantes dos 15 partidos, o coletivo confirmou a realização, na quinta e na sexta-feira, de marchas, em Bissau, para, sublinharam, resgatar a democracia na Guiné-Bissau.

Nuno Nabian, candidato derrotado na segunda volta das últimas eleições presidenciais e atual líder da Assembleia do Povo Unido, Partido Social Democrata (APU-PDGB) avisou que nenhum militante ou dirigente do coletivo será molestado "por quem quer que seja" durante as manifestações, que disse serem pacíficas.

Tópicos:

Africano Independência, Bissau, Guiné Bissau, Verde PAIGC,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.