Pelo menos 56 pessoas continuam desaparecidas em naufrágio na Tailândia

| Mundo

Pelo menos 56 pessoas continuam desaparecidas, após a embarcação onde seguiam se ter virado, na quinta-feira, a sul da Tailândia, ao largo da ilha turística de Phuket, indicou hoje um novo balanço das autoridades locais.

A bordo da embarcação estavam 105 pessoas, 93 dos quais turistas, na maioria de nacionalidade chinesa. De acordo com a polícia tailandesa, pelo menos uma pessoa morreu, 48 pessoas foram resgatadas e 12 foram hospitalizadas em centros locais.

Esta embarcação afundou-se nas proximidades da ilha de Hae (coral), a cerca de dez quilómetros a sul de Phuket.

As buscas, que tinham sido suspensas na quinta-feira devido às condições meteorológicas adversas, nomeadamente ondulação intensa e ventos fortes, que afetam a zona, foram reativadas nesta manhã, afirmou o comandante da polícia de Phuket, Teerapol Tipcharoen.

Também na quinta-feira, uma segunda embarcação de turismo naufragou a sudeste da ilha da Phuket.

As autoridades locais confirmaram que os 39 turistas europeus e chineses, a bordo da segunda embarcação, foram todos resgatados.

As previsões meteorológicas indicam que a zona vai ser afetada por condições adversas até à próxima terça-feira.

A temporada de monções, caraterizada por chuvas fortes, afeta todos os anos, entre junho e outubro, a Tailândia.

Tópicos:

Hae, Tailândia,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.