Pequim: Visita de comandante do exército à China foi "intercâmbio normal"

| Mundo

A China disse hoje que a recente visita do comandante do exército do Zimbábue, general Constantino Chiwenga, que parece ter tomado hoje o controlo do seu país, foi um "intercâmbio militar normal".

Questionado se Chiwenga informou os funcionários chineses de algum plano para assumir o controlo do Zimbábue, o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros Geng Shuang afirmou que a visita do general foi organizada pelo ministério da Defesa e desconhece os detalhes.

"O que sei é que a sua visita foi um intercâmbio militar normal, acordado pelos dois países", disse Geng, em conferência de imprensa.

Na semana passada, o ministério da Defesa da China colocou no seu microblog uma fotografia de Chiwenga e apertar a mão do ministro da Defesa chinês, Chang Wanquan, na sede do ministério de Defesa Nacional, em Pequim.

Uma outra foto mostra ambos os homens sentados com as respetivas delegações numa mesa de conferência.

A China tem sido um forte apoiante do Presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, apesar das criticas internacionais, e os laços militares entre os dois lados remontam a 1970, quando Pequim apoiou a luta do Zimbábue contra o domínio do país pela minoria branca.

O exército do Zimbabué anunciou hoje que tem sob custódia o Presidente e a mulher, controla os edifícios oficiais e patrulha as ruas da capital, após uma noite de agitação que incluiu a tomada da televisão estatal.

A ação dos militares gerou especulação quanto a um golpe de estado, mas os apoiantes dos militares disseram tratar-se de uma "correção sem derramamento de sangue".

Tópicos:

Zimbábue,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.