Pequim: Visita de comandante do exército à China foi "intercâmbio normal"

| Mundo

A China disse hoje que a recente visita do comandante do exército do Zimbábue, general Constantino Chiwenga, que parece ter tomado hoje o controlo do seu país, foi um "intercâmbio militar normal".

Questionado se Chiwenga informou os funcionários chineses de algum plano para assumir o controlo do Zimbábue, o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros Geng Shuang afirmou que a visita do general foi organizada pelo ministério da Defesa e desconhece os detalhes.

"O que sei é que a sua visita foi um intercâmbio militar normal, acordado pelos dois países", disse Geng, em conferência de imprensa.

Na semana passada, o ministério da Defesa da China colocou no seu microblog uma fotografia de Chiwenga e apertar a mão do ministro da Defesa chinês, Chang Wanquan, na sede do ministério de Defesa Nacional, em Pequim.

Uma outra foto mostra ambos os homens sentados com as respetivas delegações numa mesa de conferência.

A China tem sido um forte apoiante do Presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, apesar das criticas internacionais, e os laços militares entre os dois lados remontam a 1970, quando Pequim apoiou a luta do Zimbábue contra o domínio do país pela minoria branca.

O exército do Zimbabué anunciou hoje que tem sob custódia o Presidente e a mulher, controla os edifícios oficiais e patrulha as ruas da capital, após uma noite de agitação que incluiu a tomada da televisão estatal.

A ação dos militares gerou especulação quanto a um golpe de estado, mas os apoiantes dos militares disseram tratar-se de uma "correção sem derramamento de sangue".

Tópicos:

Zimbábue,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.