Polícia de São Tomé e Príncipe proíbe manifestações até 72 horas após anúncio de resultados finais

| Mundo

A Polícia Nacional de São Tomé e Príncipe proibiu qualquer manifestação e concentração no país, a partir de hoje e até 72 horas após o anúncio dos resultados definitivos das eleições de domingo passado pelo Tribunal Constitucional.

"Ficam, a partir desta data e nas 72 horas seguintes ao pronunciamento do Tribunal Constitucional dos resultados finais das eleições legislativas, autárquicas e regional, proibidas todas e quaisquer manifestações e concentrações nos locais públicos ou abertos ao público em todo o território nacional", lê-se num comunicado do comando geral da Polícia Nacional, com data de hoje.

A nota refere ainda que os que desobedecerem serão "identificados e responsabilizados", bem como "todos aqueles que forem considerados como os organizadores e instigadores das referidas manifestações e concentrações".

A Polícia Nacional apela à "calma e tranquilidade de todos os cidadãos são-tomenses e estrangeiros residentes" no país e pede que se evite "a prática ou incitação à violência, pondo em causa a segurança nacional".

O apelo surge numa altura em que decorre o "apuramento provisório" dos resultados eleitorais e "face aos últimos acontecimentos ocorridos no território nacional, com maior incidência no distrito de Água Grande", refere ainda o comunicado.

Para esta sexta-feira, a Ação Democrática Independente (ADI), partido no poder e vencedor das eleições legislativas, estava convocada uma "concentração pacífica", no centro da capital.

Na passada segunda-feira, centenas de manifestantes contestaram, alguns de forma violenta, a verificação de votos nulos por uma juíza na comissão eleitoral do distrito de Água Grande, na cidade de São Tomé, e a Polícia de Estado interveio para dispersar a multidão.

Tópicos:

Ação Democrática,

A informação mais vista

+ Em Foco

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

    Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

      O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

        Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.