Portugal é "um grande país, sempre à altura das circunstâncias" - Marcelo

| Mundo

O Presidente da República fez hoje no México um discurso de exaltação nacional, afirmando que Portugal está a crescer e unido nos grandes objetivos, e é um grande país, que esteve sempre à altura das circunstâncias.

"Eu de vez em quando ouço dizer, quando aqui e ali há uma realidade que corre um bocadinho menos bem, que o país não esteve à altura das circunstâncias. Não é verdade. O país esteve sempre à altura das circunstâncias. Pode um ou outro, de vez em quando, não estar à altura das circunstâncias - acontece-nos a todos nós na vida -, mas o país como um todo esteve sempre à altura das circunstâncias", defendeu.

Marcelo Rebelo de Sousa falava na Cidade do México, durante uma receção à comunidade portuguesa, em que começou por pedir um minuto de silêncio pelas vítimas do incêndio na região centro, assinalando a "passagem de um mês sobre o início da tragédia".

Depois do pesar, no entanto, o Presidente da República fez um discurso em tom positivo, declarando: "Vamos então falar das nossas alegrias, porque temos alegrias. E a primeira alegria é aquela que nos é dada pelos nossos compatriotas que vivem aqui nesta potência".

A propósito das relações económicas bilaterais com o México, Marcelo Rebelo de Sousa descreveu Portugal como um país que "cresce lá dentro, cresce cá fora, cresce em investimentos, em exportações para o estrangeiro", e está unido nos grandes objetivos.

O Presidente da República referiu-se à comitiva que o acompanha nesta visita de Estado ao México, que inclui o ministro da Economia, a secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação e deputados do PSD, do PS, do CDS-PP e do PCP.

"É uma delegação que tem três órgãos de soberania, tem o Governo, tem o parlamento, tem o Presidente da República. E mostra uma realidade muito simples: quando se trata de grandes objetivos muito simples, não há políticas diferentes. Não há a política do partido A, B, C ou D, ou do parlamento, ou a política do Governo, ou a política do Presidente. O objetivo é o mesmo: é afirmar Portugal no mundo", considerou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "por isso aqui estão representantes dos diversos partidos na Assembleia da República e dois membros do Governo e aqui está o Presidente da República".

"Estamos unidos nesta visita de Estado. Estamos unidos nos contactos já realizados e no que falta realizar, estamos unidos no encontro com a nossa comunidade, com os nossos compatriotas", acrescentou.

No final da intervenção, dirigindo-se aos representantes da comunidade portuguesa, o Presidente da República afirmou: "Nós somos um grande país. Não sei se têm noção disso".

"Se não têm, é bom todos os dias olharem-se ao espelho e dizerem: Eu sou português, eu sou muito bom. Isso faz muito bem. Bom, não fiquem irritantemente otimistas, isso também é de mais, fiquem realisticamente otimistas. Mas fiquem otimistas, porque merecem, e nós merecemos", pediu-lhes.

Marcelo Rebelo de Sousa repetiu a mensagem: "Nós, portugueses, somos muito bons".

"Não quer dizer que seja tudo bom, e tudo fácil. E que não tenhamos problemas, e não tenhamos crises, e que não tenhamos de vez em quando realidades que são menos boas. Mas, no geral, nós temos uma capacidade notável para sermos o que temos sido ao longo da nossa história: capazes de um heroísmo nos momentos cruciais e, nesse sentido, estarmos à altura das circunstâncias", sustentou.

Tópicos:

México,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.