PR guineense em Paris para falar com homólogo francês sobre situação no Burkina Faso

por Lusa

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, é recebido hoje pelo seu homólogo francês, Emmanuel Macron, com quem vai analisar a preocupação da Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) sobre a situação no Burkina Faso.

Fonte da presidência guineense em Bissau disse hoje à Lusa que Umaro Sissoco Embaló viajou no domingo para Paris.

Em comunicado e na qualidade de presidente em exercício da conferência de chefes de Estado da CEDEAO, Umaro Sissoco Embaló divulgou, no domingo, um comunicado no qual exorta as partes desavindas no Burkina Faso para que elejam o diálogo como forma de resolução de quaisquer diferendos.

Na sexta-feira, militares, sob liderança do capitão Ibrahim Traoré, de 34 anos, assumiram o poder que até aí estava nas mãos de uma Junta Militar chefiada pelo tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba.

Damiba tinha afastado do poder, em janeiro deste ano, Marc Roch Kaboré, Presidente eleito, a quem acusa de inoperância perante os ataques de insurgentes fundamentalistas à população civil.

No domingo, após mediações de líderes comunitários e religiosos do Burkina Faso, Henri Damiba renunciou às funções de chefe de Estado e líder da Junta Militar, cargo agora assumido por Troaré.

O novo líder do Burkina Faso também acusou Damiba de "inoperância, falta de firmeza e escassez de meios" para que as Forças Armadas combatam "de forma eficaz" os terroristas.

A ministra dos Negócios Estrangeiros guineense, Suzi Barbosa, que também preside ao conselho de ministros da CEDEAO, deslocou-se hoje a Ouagadougou para se encontrar com as novas autoridades do Burkina Faso.

pub