Praia de Fukushima reabre ao público seis anos após acidente nuclear no Japão

| Mundo

|

A praia de Usuiso, localizada em Fukushima e uma das mais populares do Japão, reabriu ao público após a conclusão dos trabalhos de descontaminação radioativa, mais de seis anos depois da catástrofe nuclear.

A praia, que se encontra a 40 quilómetros da acidentada central de Fukushima Daiichi, começou no passado fim de semana a receber os primeiros banhistas desde março de 2011, informou o Governo da localidade de Iwaki, que organizou uma cerimónia para a ocasião.

Usuiso reabriu ao público depois de concluída a reconstrução das infraestruturas na costa, devastada pelo `tsunami` que desencadeou o acidente nuclear, assim como a limpeza dos resíduos radiativos resultantes da catástrofe.

Os níveis de radiação na praia e na água do mar são equivalentes aos registados antes da catástrofe, indicaram as autoridades de Fukushima, que nos últimos anos tem levantado as restrições de acesso a muitas das áreas que ficaram contaminadas pelo acidente.

Usuiso, que recebia mais de 200.000 visitantes por ano, de acordo com dados das autoridades locais, é uma das 18 praias da região que foram encerradas ao público depois da catástrofe, das quais apenas três reabriram.

O desastre de 11 de março de 2011 no Japão causou 15.893 mortos e 2.553 desaparecidos, de acordo com o balanço oficial.

Tópicos:

Japão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.