Presidente do PE quer que Zuckerberg diga que medidas tomará para defender cidadãos

| Mundo

|

O presidente do Parlamento Europeu (PE), Antonio Tajani, esclareceu hoje que a deslocação de Mark Zuckerberg ao Parlamento servirá para perceber o que o fundador do Facebook pretende fazer para “defender os cidadãos europeus” antes das próximas eleições europeias.

“Queremos saber o porquê de o Facebook ter decidido pôr na mesa o nome dos cidadãos europeus e pretendemos perceber o que vão fazer antes das eleições europeias. É um debate muito importante, queremos saber a história e o que querem fazer nos próximos meses para defender os cidadãos europeus”, elucidou o presidente do PE à entrada para a Cimeira União Europeia-Balcãs, em Sófia (Bulgária).

Mark Zuckerberg aceitou na quarta-feira deslocar-se a Bruxelas para se reunir com “representantes do Parlamento Europeu” sobre a utilização de dados pessoais de milhões de utilizadores daquela rede social.

A audiência do fundador do Facebook decorrerá à porta fechada, com Zuckerberg a reunir-se com Antonio Tajani, com os presidentes dos grupos políticos e com o presidente e o relator da comissão de Liberdades Civis e Justiça.

De acordo com o político italiano, o PE pretende ouvir responsáveis de outras redes sociais, de modo a garantir a existência de “boas regras de proteção dos direitos dos cidadãos”.

O PE manifestou interesse em conhecer o alcance do uso abusivo de dados pessoais de utilizadores do Facebook, nomeadamente pela empresa Cambrige Analytica, para interferir em campanha políticas, designadamente a do referendo sobre o ‘Brexit’.

Tópicos:

Antonio Tajani, Mark Zuckerberg, Parlamento Europeu, inquirição, Facebook,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.