Presidente do Zimbabué presta condolências à família do líder da oposição

| Mundo

O Presidente do Zimbabué prestou hoje condolências à família do falecido líder oposicionista Morgan Tsvangirai, apelando para a união num momento de tensão pelo poder na oposição, segundo a agência de notícias Associated Press (AP).

O Presidente Emmerson Mnangagwa prometeu que o seu Governo vai cobrir as despesas hospitalares e funerárias de Tsvangirai, um dos principais opositores do partido no poder, a ZANU-PF (União Nacional Africana do Zimbabué -- Frente Patriótica), que morreu na passada quarta-feira com 65 anos vítima de cancro do cólon na África do Sul.

O corpo de Tsvangirai chegou a Harare, capital do Zimbabué, na passada sexta-feira e foi levado para instalações militares, onde vai permanecer até segunda-feira para que o público possa prestar uma última homenagem.

Centenas de pessoas receberam com hinos e música de festa os restos do líder da oposição do Zimbábue. "Recebemos o corpo de nosso presidente, nosso herói, nosso ícone, nosso patriota e grande líder", disse Nelson Chamisa, um dos três adjuntos de Tsvangirai.

O corpo foi transportado para um campo militar onde os heróis nacionais são acolhidos antes do enterro. O oponente do antigo Presidente Robert Mugabe será enterrado na terça-feira em Buhera, a sua aldeia natal, localizada a cerca de 250 quilómetros a sul da capital.

O partido de Tsvangirai, Movimento para a Mudança Democrática (MDC, na sigla inglesa), está fraturado por rivalidades internas em torno da nova liderança.

Nelson Chamisa venceu a liderança do partido de oposição, que tem o segundo maior número de lugares no parlamento do Zimbabué. No entanto, dois outros responsáveis partidários, Thokozani Khupe, e o anterior presidente da câmara de Harare Elias Mudzuri, também querem liderar o partido.

Sem Robert Mugabe, afastado da Presidência após 37 anos de poder, a ZANU-PF e o Presidente anunciaram a vontade em realizar eleições livres, justas e transparentes, com o intuito de credibilizar o país e atrair investimento estrangeiro para uma economia que está praticamente colapsada.

A data precisa das presidenciais está ainda por definir, havendo propostas para 23 de julho e 21 de agosto, embora Mnangagwa já tenha referido que a votação poderá ser antecipada, "talvez para maio".

Tópicos:

Africana Zimbabué,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.