Presidente libanês diz que primeiro-ministro está detido na Arábia Saudita

| Mundo

O primeiro-ministro libanês anunciou a demissão em Riade, a 4 de novembro
|

O chefe de Estado libanês considerou hoje que o primeiro-ministro, Saad Hariri, que anunciou a demissão no passado dia 4 a partir de Riade, foi detido na Arábia Saudita, de acordo com a conta do twitter da Presidência.

"Não há justificações para que o Sr. Hariri não volte depois de 12 dias. Logo, consideramos que está em cativeiro e detido, o que é contrário à Convenção de Viena", que rege as relações diplomáticas entre os países, lê-se numa mensagem no twitter relatando as palavras de Michel Aoun.

O primeiro-ministro libanês garantiu na terça-feira, na primeira mensagem numa rede social após o anúncio da sua resignação, que deixaria a Arábia Saudita em dois dias para regressar ao Líbano.

Na Arábia Saudita há pouco mais de uma semana, Hariri referiu que se encontra bem e que regressará ao Líbano sem a família, que permanecerá no país.
Demissão foi recusada
"Estou muito bem e, se Deus quiser, vou voltar para nos tranquilizarmos", escreveu Hariri, que, no fim de semana, declarou a uma estação de televisão libanesa que regressará "muito determinado" para levar a cabo os procedimentos constitucionais para formalizar a renúncia.

A demissão de Hariri, anunciada pelo próprio na Arábia Saudita, a 4 deste mês, foi recusada pelo Presidente do Líbano, Michel Aoun, que considerou ter sido comunicada sob misteriosas circunstâncias.

O Líbano insiste que a resignação foi forçada pelos altos responsáveis sauditas e que Hariri tem permanecido contra a sua vontade na Arábia Saudita, o que o primeiro-ministro libanês refutou, em entrevista à Sunda TV.

Tópicos:

Arábia Saudita, Convenção, Deus, Hariri, Líbano,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.