Presidente libanês diz que primeiro-ministro está detido na Arábia Saudita

| Mundo

O primeiro-ministro libanês anunciou a demissão em Riade, a 4 de novembro
|

O chefe de Estado libanês considerou hoje que o primeiro-ministro, Saad Hariri, que anunciou a demissão no passado dia 4 a partir de Riade, foi detido na Arábia Saudita, de acordo com a conta do twitter da Presidência.

"Não há justificações para que o Sr. Hariri não volte depois de 12 dias. Logo, consideramos que está em cativeiro e detido, o que é contrário à Convenção de Viena", que rege as relações diplomáticas entre os países, lê-se numa mensagem no twitter relatando as palavras de Michel Aoun.

O primeiro-ministro libanês garantiu na terça-feira, na primeira mensagem numa rede social após o anúncio da sua resignação, que deixaria a Arábia Saudita em dois dias para regressar ao Líbano.

Na Arábia Saudita há pouco mais de uma semana, Hariri referiu que se encontra bem e que regressará ao Líbano sem a família, que permanecerá no país.
Demissão foi recusada
"Estou muito bem e, se Deus quiser, vou voltar para nos tranquilizarmos", escreveu Hariri, que, no fim de semana, declarou a uma estação de televisão libanesa que regressará "muito determinado" para levar a cabo os procedimentos constitucionais para formalizar a renúncia.

A demissão de Hariri, anunciada pelo próprio na Arábia Saudita, a 4 deste mês, foi recusada pelo Presidente do Líbano, Michel Aoun, que considerou ter sido comunicada sob misteriosas circunstâncias.

O Líbano insiste que a resignação foi forçada pelos altos responsáveis sauditas e que Hariri tem permanecido contra a sua vontade na Arábia Saudita, o que o primeiro-ministro libanês refutou, em entrevista à Sunda TV.

Tópicos:

Arábia Saudita, Convenção, Deus, Hariri, Líbano,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.