Presidente norte-americano pede revogação de Obamacare sem plano de saúde substituto

| Mundo

|

O Presidente dos Estados Unidos pediu na segunda-feira aos republicanos para que "simplesmente revoguem" o Obamacare sem aprovar um plano de saúde substituto, após o bloqueio nas bancadas conservadoras, incapazes de concordar numa proposta alternativa.

"Os republicanos deveriam simplesmente revogar o Obamacare e trabalhar a partir do zero num novo plano de saúde. Os democratas vão juntar-se", escreveu Donald Trump na sua conta na rede de mensagens instantâneas Twitter.

Esta mensagem surgiu minutos depois de ser conhecida a oposição de alguns senadores republicanos, a qual fez fracassar a enésima proposta de saúde republicana para revogar e substituir o Obamacare.

Os senadores que anunciaram a oposição ao texto foram os ultraconservadores Mike Lee e Jerry Moran, aumentando para quatro o número de republicanos discordantes na câmara alta (Senado).

Com a oposição destes quatro republicanos e a união dos 48 senadores democratas contra a revogação do Obamacare, os votos favoráveis à nova proposta ficaram abaixo dos 50 necessários para a aprovar.

Apesar das tentativas de Trump e da maioria republicana nas duas câmaras do Congresso, o Presidente norte-americano não conseguiu ainda aprovar a revogação e substituir a Obamacare, uma das suas principais promessas eleitorais.

Estudos efetuados pelo Organismo do Orçamento do Congresso apartidário (CBO, em inglês) indicaram que entre 22 e 24 milhões de pessoas perderiam a cobertura de saúde nos próximos dez anos, com as propostas conservadoras.

Tópicos:

Mike Lee,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.