Presidente timorense nomeia quatro últimos membros do Governo

| Mundo

O Presidente timorense nomeou hoje os últimos quatro membros do Governo, incluindo a ministra da Justiça, Ângela Carrascalão, e o ministro do Turismo, Manuel Vong, cuja tomada de posse não está ainda marcada.

O decreto presidencial, assinado hoje, nomeia ainda Sara Lobo Brites, como vice-ministra do Plano e Finanças, e Rui Meneses da Costa, como vice-ministro do Turismo.

Ângela Carrascalão, decana de Direito da Universidade Nacional Timor Lorosa`e, assume as rédeas de uma das pastas mais complexas em Timor-Leste, numa altura em que está em curso um amplo processo de reforma no setor.

Manuel Vong, atual reitor do Dili Institute of Technology [Instituto de Tecnologia de Díli] vai liderar a pasta do Turismo, sendo apoiado por Rui Meneses da Costa, do Partido Democrático (PD), força política que, com a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), integra a coligação minoritária de Governo.

Sara Lobo Brites, uma das vice-coordenadoras do Banco Central, assume o cargo de "número dois" no Ministério das Finanças, liderado por Rui Gomes.

Fonte da Presidência timorense confirmou à Lusa que para já não está marcada a tomada de posse dos quatro membros do executivo que com estas nomeações terá um total de 37 elementos.

Os quatro últimos membros do Governo, agora nomeados por Francisco Guterres Lu-Olo, juntam-se aos 12, entre eles o primeiro-ministro timorense, Mari Alkatiri, que tomaram posse a 15 de setembro e aos 20 que tomaram posse a 03 de outubro.

Ainda por tomar posse, mas já nomeada vice-ministra dos Negócios Estrangeiros está a embaixadora de Timor-Leste em Singapura, Adaljiza Magno.

Tópicos:

Dili Institute Technology [Instituto Tecnologia, Revolucionária Timor Leste, Sara, Timor Lorosa,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.