PT formaliza candidatura de Lula da Silva às presidenciais do Brasil

| Mundo

O Partido dos Trabalhadores (PT) formalizou hoje a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, às 17:25 locais (21:25 em Lisboa), junto do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília.

A informação consta na página de Lula da Silva na rede social `twitter`.

Pouco antes das 14:00 (18:00 em Lisboa), centenas de militantes começaram a organizar-se numa marcha em direção ao TSE.

Foram colocadas faixas em frente do tribunal eleitoral brasileiro por militantes do PT e integrantes de grupos como o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e organizações quilombolas (descendentes de negros que foram escravizados no Brasil).

Lula da Silva, de 72 anos, é o favorito em todas as sondagens de intenção de voto para as presidenciais do Brasil, que se realizam em outubro, arrecadando cerca de um terço das intenções de voto, o dobro de qualquer outro candidato.

O antigo Presidente está preso após ser condenado em duas instâncias da Justiça brasileira, num processo em que é acusado de ter recebido um apartamento de luxo na cidade litoral do Guarujá como suborno da construtora OAS, em troca de favorecer contratos desta empresa com a petrolífera estatal Petrobras.

Este processo ainda não terminou, uma vez que estão pendentes recursos apresentados pelos advogados de Lula da Silva em tribunais superiores.

A informação mais vista

+ Em Foco

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira para o cargo, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

      Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.