Pyongyang acusa Washington de querer provocar uma guerra na Coreia

| Mundo

|

A Coreia do Norte acusou hoje os Estados Unidos de quererem provocar uma guerra na península coreana, uma vontade que vê refletida no aumento das manobras militares de Washington e na retórica "belicista" dos seus altos dirigentes.

"Os desleixados comentários de guerra do círculo interno de [Donald] Trump e os imprudentes movimentos militares corroboram que a atual Administração decidiu provocar uma guerra na península coreana", afirmou um porta-voz da diplomacia da Coreia do Norte à agência de notícias oficial KCNA.

Pyongyang argumenta que Washington optou pela estratégia de avançar "passo a passo" para fazer estalar o conflito e a única coisa que resta agora perguntar é "quando é que a guerra vai eclodir".

"Não desejamos uma guerra, mas não iremos fugir dela", afirmou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte, reiterando a advertência aos Estados Unidos de que irão "pagar caro" por provocar um conflito, falando da "poderosa força nuclear" que Pyongyang tem "constantemente fortalecido".

Os comentários da diplomacia norte-coreana têm lugar numa altura em que decorrem os exercícios aéreos anuais conjuntos de Washington e Seul "Vigilant ACE". Essas manobras, as maiores até à data e que decorrem até sexta-feira, figuram como uma nova demonstração de força dos dois aliados perante o desafio que representam os programas nucleares e de mísseis do regime liderado por Kim Jong-un.

As manobras militares conjuntas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul arrancaram cinco dias após o lançamento de um míssil balístico intercontinental (ICBM) pelo regime de Pyongyang que afirmou ser capaz de atingir qualquer parte do território continental norte-americano.

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, o tenente-general Herbert Raymond McMaster, declarou, no passado fim de semana, que a probabilidade de uma guerra com a Coreia do Norte "aumenta cada dia", enquanto o senador republicano Lindsey Graham instou o Pentágono a começar a repatriar as famílias dos militares dos Estados Unidos, sob o argumento de que o conflito com o Norte se está a aproximar.

Estes comentários foram qualificados hoje de "belicistas" por Pyongyang, cujo regime sustentou que apenas podem ser interpretados "como uma advertência" para a Coreia do Norte se "preparar para uma guerra".

"O mundo não deveria ter preconceitos na hora de discernir quem está por detrás da tensa situação", realçou o porta-voz da diplomacia norte-coreana.

Tópicos:

Coreia Seul, Herbert Raymond McMaster, Pyongyang,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.