Rei Salman considera que visita de Trump a Riade contribui para a segurança global

| Mundo

|

O rei da Arábia Saudita disse hoje que a visita do presidente norte-americano a Riade irá reforçar a cooperação estratégica entre os dois países e contribuirá para que a segurança global e a estabilidade sejam uma realidade.

Numa mensagem na sua conta oficial no ‘Twitter’, o rei Salman bin Abdelaziz escreveu: "Damos-lhe as boas vindas ao reino saudita @POTUS Trump. Sr. Presidente, a sua visita irá reforçar a nossa cooperação estratégica e tornar a segurança e a estabilidade global realidade".

Estas foram as suas primeiras declarações após a chegada do Presidente dos EUA ao país.

O presidente norte-americano aterrou hoje na capital saudita, Riade, onde iniciou a sua primeira viagem internacional, que o levará ainda a Israel, Palestina, Vaticano, Bruxelas (Bélgica) e Sicília (Itália).


Trump foi recebido pelo rei Salman no aeroporto de Riade após a aterragem do avião, que ocorreu às 09:50 horas locais (08:50 em Lisboa).

É esperado que Trump feche hoje grandes acordos económicos no país árabe e no domingo participe numa reunião com os países do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), a Arábia Saudita, o Kuwait, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein, o Catar e Omã.

No domingo, o Presidente norte-americano participará numa cimeira com líderes e representantes de 50 países árabes e islâmicos.

Paralelamente a estas reuniões, realizar-se-á um fórum de luta contra o terrorismo e o extremismo, patrocinado pela coligação militar islâmica antiterrorista, criada em 2015 por iniciativa da Arábia Saudita, e que as autoridades em Riade querem impulsionar, aproveitando a visita do presidente dos Estados Unidos.

Tópicos:

Arábia Saudita, visita, Donald Trump,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.