Rússia diz que acusações de interferência na Catalunha são “histeria”

| Mundo

|

A Rússia classifica como “histeria” as acusações de interferência nas eleições da Catalunha. Rajoy fala em “desestabilizadores estrangeiros” e garante que sabotagens não vão interferir no acto eleitoral.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Lavrov, classificou como “histeria” as acusações sobre uma alegada interferência de Moscovo nas próximas eleições na Catalunha, a favor dos independentistas.

Vários ministros do governo espanhol acusaram grupos russos de usarem meios de comunicação online para promover o referendo sobre a independência em outubro, numa tentativa de destabilização de Espanha.

O primeiro-ministro espanhol já veio assegurar que possíveis sabotagens oriundas do estrangeiro, não vão impedir as próximas eleições na Catalunha, marcadas para 21 de Dezembro.

Mariano Rajoy assegura que interferências externas não vão influenciar eleições na Catalunha. Foto: Susana Vera - Reuters

Mariano Rajoy disse acreditar que a lei e a constituição espanhola têm instrumentos suficientes para que as eleições catalãs possam ser realizadas sem interferências estrangeiras.
Interferências externas em processos eleitorais
Desde as últimas eleições presidenciais nos Estados Unidos, onde alegadamente houve uma interferência ligada à Rússia para beneficiar Donald Trump, que o tema da ingerências cibernéticas tem estado no topo da atualidade internacional.
 
Enquanto nos Estados Unidos prossegue a investigação sobre o caso, o primeiro-ministro espanhol falou terça-feira em “possíveis sabotagens” e em “desestabilizadores estrangeiros”, referindo-se às eleições na França e nos Países Baixos.

Rajoy acrescentou que durante o processo de declaração de independência unilateral da Catalunha foram detetadas contas na internet com origem na Rússia e na Venezuela, que continham informações falsas em benefício dos independentistas.

Tópicos:

Eleições, Independência, Interferências, Rajoy, Rússia, Catalunha,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.