Rússia "tudo fará" para preservar acordo nuclear com Irão

| Mundo

A Rússia assegurou hoje que vai fazer tudo o que puder para preservar o acordo nuclear de 2015 com o Irão e adverte que se os Estados Unidos abandonarem o pacto cometem "um erro muito grave".

"Faremos tudo o que depender de nós para preservar o acordo", disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Riabkov, à agência Interfax.

"Estamos a chegar gradualmente à conclusão de que já foi tomada uma decisão interna, nos Estados Unidos, de sair [do acordo nuclear], ou que vai ser tomada em breve", disse o "número dois" da diplomacia russa.

"Isso pode ser um dos erros graves de Washington em política externa, um erro de cálculo extremamente negativo", acrescentou.

Concluído em julho de 2015 entre o Irão e o grupo 5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança -- EUA, Rússia, China, França e Reino Unido -- e a Alemanha), o acordo nuclear permitiu o levantamento de parte das sanções internacionais em troca do compromisso de Teerão de que o seu programa nuclear tem fins pacíficos.

O presidente norte-americano, Donald Trump, confirmou na sexta-feira a suspensão das sanções económicas a Teerão, mas a Casa Branca advertiu que se tratou "da última suspensão" e exigiu a concordância dos europeus numa adenda ao atual acordo.

Trump considera que o atual acordo, concluído durante a presidência de Barack Obama, não evita o desenvolvimento de mísseis balísticos e não promove o respeito pelos direitos humanos.

MDR // MSF

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.