Saída dos EUA da UNESCO não é decisão inédita

| Mundo
Saída dos EUA da UNESCO não é decisão inédita

Foto: Reuters

Os Estados Unidos vão sair da UNESCO, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

É uma decisão que terá efeitos apenas em dezembro do próximo ano. A decisão foi anunciada esta tarde em comunicado pela Unesco.

Os Estados Unidos justificam a saída da UNESCO com a crescente preocupação face ao aumento das dívidas e a tendência anti-israelita da organização.

Em causa está uma decisão tomada em novembro, numa sessão da UNESCO em Cracóvia, relativa a Hebron. Doze elementos do comité votaram a favor da classificação da cidade, na zona ocupada da Cisjordânia, como zona protegida, três votaram contra e houve ainda seis abstenções. Um facto que levou o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita a classificar a decisão como uma mancha moral.

Na análise do comentador da Antena 1, Filipe Vasconcelos Romão, a surpresa não é grande, até porque a decisão dos EUA não é inédita.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    Rui Rosinha, bombeiro de Castanheira de Pêra, sofreu queimaduras de terceiro grau e esteve dez horas à espera de ser internado. Foi operado 14 vezes e regressou a casa ao fim de seis meses.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.