Saída dos EUA da UNESCO não é decisão inédita

| Mundo
Saída dos EUA da UNESCO não é decisão inédita

Foto: Reuters

Os Estados Unidos vão sair da UNESCO, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

É uma decisão que terá efeitos apenas em dezembro do próximo ano. A decisão foi anunciada esta tarde em comunicado pela Unesco.

Os Estados Unidos justificam a saída da UNESCO com a crescente preocupação face ao aumento das dívidas e a tendência anti-israelita da organização.

Em causa está uma decisão tomada em novembro, numa sessão da UNESCO em Cracóvia, relativa a Hebron. Doze elementos do comité votaram a favor da classificação da cidade, na zona ocupada da Cisjordânia, como zona protegida, três votaram contra e houve ainda seis abstenções. Um facto que levou o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita a classificar a decisão como uma mancha moral.

Na análise do comentador da Antena 1, Filipe Vasconcelos Romão, a surpresa não é grande, até porque a decisão dos EUA não é inédita.

A informação mais vista

+ Em Foco

Esta é uma das regiões mais geladas do mundo. E continua a aquecer a uma taxa mais rápida do que qualquer outro lugar da Terra.

    A descoberta acidental veio demonstrar que o animal poderá estar em perigo de extinção.

      Um grupo de astrónomos dos Estados Unidos descobriu que Júpiter tem mais 12 luas. O gigante gasoso tem agora 79 satélites naturais.

        No dia em que se assinala o centenário do nascimento de Nelson Mandela, o jornalista António Mateus recorda o legado do histórico líder sul-africano.