Saída dos EUA da UNESCO não é decisão inédita

| Mundo
Saída dos EUA da UNESCO não é decisão inédita

Foto: Reuters

Os Estados Unidos vão sair da UNESCO, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

É uma decisão que terá efeitos apenas em dezembro do próximo ano. A decisão foi anunciada esta tarde em comunicado pela Unesco.

Os Estados Unidos justificam a saída da UNESCO com a crescente preocupação face ao aumento das dívidas e a tendência anti-israelita da organização.

Em causa está uma decisão tomada em novembro, numa sessão da UNESCO em Cracóvia, relativa a Hebron. Doze elementos do comité votaram a favor da classificação da cidade, na zona ocupada da Cisjordânia, como zona protegida, três votaram contra e houve ainda seis abstenções. Um facto que levou o ministro dos Negócios Estrangeiros israelita a classificar a decisão como uma mancha moral.

Na análise do comentador da Antena 1, Filipe Vasconcelos Romão, a surpresa não é grande, até porque a decisão dos EUA não é inédita.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.