Secretário-geral da ONU condena atentado terrorista em comício no Zimbabué

| Mundo

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou hoje o atentado bombista que visou no sábado em Bulawayo um comício eleitoral do presidente do Zimbabué, Emmerson Mnangagwa, que saiu ileso, e causou 49 feridos.

António Guterres apelou para que os responsáveis fossem levados à justiça e desejou uma rápida recuperação dos feridos, refere o seu porta-voz, Stéphane Dujarric, em comunicado.

Um engenho explodiu sábado no final do comício eleitoral de Mnangagwa, candidato do partido no poder às eleições presidenciais marcadas julho.

Muitos milhares de apoiantes de Mnangagwa assistiam a um comício organizado num estádio situado numa zona considerada um bastião da oposição, tendo a explosão provocado, segundo a polícia do Zimbabué, pelo menos 49 feridos.

Entre os feridos figuram dois vice-presidentes do país, Constantino Chiwenga e Kembo Mohadi, e muitos outros altos responsáveis do partido no poder.

O comunicado refere ainda que o secretário-geral da ONU "ficou perturbado com a notícia" da explosão do engenho explosivo no comício.

As autoridades do Zimbabué já anunciaram que vão realizar uma investigação exaustiva ao incidente.

As eleições de 30 de julho são as primeiras desde a demissão forçada em novembro do presidente Robert Mugabe, que dirigiu o Zimbabué com `mão de ferro´ desde a independência em 1980.

Abandonado pelo exército e pelo seu partido, Mugabe foi substituído por Mnangagwa, o seu antigo vice-presidente.

Mnangagwa é apontado como o favorito às eleições depois de a oposição ter ficado órfã do seu líder histórico, Morgan Tsvangirai, falecido em fevereiro.

CMP // JPF

Tópicos:

ONU, Zimbabué,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.