Síria. Ataque com mísseis pode ter sido "falso alarme"

| Mundo

|

Há dúvidas sobre a existência de um novo ataque na Síria esta madrugada. Tudo pode não ter passado de um falso alarme que levou a defesa aérea de Damasco a disparar. Fontes militares sírias avançam que a falha do sistema se deveu a um ataque eletrónico feito pelos Estados Unidos e Israel contra o sistema de radares sírio. O Pentágono desmentiu qualquer ofensiva atual contra a Síria e Israel não faz “comentários a este tipo de informações”.

Terá sido um falso alarme o alegado ataque a uma base militar síria, que levou à ativação das defesas antiáereas, na madrugada desta terça-feira. Citado pela agência Reuters, o comandante militar que apoia o governo de Bashar al-Assad disse que não houve afinal nenhum novo ataque.

Sob anonimato, o militar acrescenta ainda que terá sido um ataque eletrónico conjunto por parte de Israel e dos Estados Unidos contra o sistema de radares da Síria que originou o alarme e, consequentemente, os disparos em vão dos mísseis de defesa antiaérea. Uma situação que está a ser analisada por especialistas russos.

A televisão síria anunciou durante a noite que um ataque com mísseis atingiu a base aérea de Shayrat, em Homs, e que as defesas antiaéreas foram ativadas devido a um ataque com mísseis. As informações dão conta da interceção de vários mísseis junto a duas bases militares, uma na região de Homs e outra a nordeste da capital Damasco.
Sistemas "ativados inadvertidamente"
No entanto, as informações são contraditórias. Fontes militares sírias citadas pelo Haaretz também avançam que os sistemas de defesa foram ativados inadvertidamente e negam o ataque com mísseis contra a base aérea de Shayrat, alegando que se tratou de um falso alarme.

Fontes próximas do Governo sírio, citados pelo mesmo jornal, admitem a hipótese de os mísseis terem sido lançados por Israel, que já veio dizer que não comenta.

A ação militar surge três dias depois do ataque pelos Estados Unidos, França e Reino Unido como resposta ao ataque com armas químicas, em Douma, no dia 7 de abril. Os alvos da ação foram centros militares do regime de Bashar al-Assad.

A base aérea de Shayrat foi alvo de ataques americanos no ano passado em resposta a um ataque com armas químicas no norte da Síria, atribuído ao regime do presidente sírio, Bashar al-Assad.
O exército sírio aponta como possibilidade que o ataque tenha sido conduzido por aviões israelitas, uma vez que terão entrado em espaço aéreo sírio pelo lado do Líbano.


Já o Hezbollah, a milícia pró-iraniana, fez saber que as defesas aéreas sírias tinham intercetado três mísseis disparados contra o aeroporto militar de Dumair, a nordeste da capital. Um porta-voz do Pentágono negou perentoriamente: “Não há atividade militar dos EUA nessa área, neste momento”.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos informou a ocorrência de fortes explosões ouvidas perto da base aérea de Al-Chaayrate, na província de Homs, e na região de Qualamoun, perto de Damasco, onde estão situadas outras duas bases aéreas.

A televisão oficial síria declarou que se trata de "uma agressão", sem precisar quem está na origem destes ataques.
Inspetores de armas químicas na Síria
Os técnicos da Organização para a Proibição de Armas Químicas têm autorização para visitar na quarta-feira o local do alegado ataque químico. A luz verde foi dada pela Rússia à equipa internacional que se encontra no país desde sábado mas que não foi ainda autorizada a visitar Douma, cidade a cerca de dez quilómetros da capital Damasco que terá sido palco do ataque químico.

A Síria e a Rússia negaram o alegado ataque de 7 de abril e as autoridades russas apelidaram-no mesmo de “encenação”. Uma semana depois, EUA, Reino Unido e França responderam com ataques militares de retaliação contra alvos do regime sírio.

Os inspetores deverão recolher amostras de solo e outras para tentarem identificar possíveis substâncias usadas no ataque. Contudo, o enviado dos EUA mostrou-se preocupado com a possibilidade de a Rússia ter visitado o local e tê-lo adulterado para impedir a investigação.


O ministro russo das Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, garantiu na segunda-feira à BBC que “a Rússia não adulterou o local” e que as alegadas provas foram apenas “baseadas em relatos de media e redes sociais”.

Em entrevista à BBC, Sergei Lavrov acusa os Estados Unidos, França e Reino Unido de não terem provas do uso de armas químicas e diz que os aliados castigam antes de investigar.


c/agências

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.