Síria. Governo sem solução para repatriar crianças portuguesas

| Mundo
Síria. Governo sem solução para repatriar crianças portuguesas

A ver: Síria. Governo sem solução para repatriar crianças portuguesas

O Governo português ainda não tem solução para as três crianças portuguesas e duas mulheres que estão detidas num campo sírio sob domínio curdo. Duas destas crianças, de dois e quatro anos, estão gravemente doentes.

As mulheres são mãe e viúva de dois jihadistas portugueses que morreram em combate. Estão há meses a implorar ao Governo para regressar a Portugal.

Mas o ministro português dos Negócios Estrangeiros diz que tem de compatibilizar os direitos destas cidadãs com a segurança nacional.

Em exclusivo ao Sexta às 9, o Comité Internacional da Cruz Vermelha diz que só está à espera de luz verde do Governo português para efetuar o repatriamento das mulheres e crianças doentes.

Já hoje, ao início da tarde, o Governo francês anunciou o o repatriamento de várias crianças detidas em campos curdos, na Síria. O Ministério dos Negócios Estrangeiros de França não avança com o número de menores e diz que os familiares foram avisados nas últimas horas desta decisão.

Da Síria estão a sair crianças órfãs ou que estavam sem os pais. Todas com menos de 5 anos. Até hoje estavam entregues a outras mulheres. Nos campos de detenção sírios continuam as mulheres e os seus filhos. Não há para já a decisão de as trazer.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Grécia agradeceu a Portugal a solidariedade do país pela disponibilidade de receber mil migrantes e refugiados, atualmente alojados em condições precárias naquele país.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.