Síria. Potências ocidentais entregam novo projeto de resolução nas Nações Unidas

| Mundo

|

A França, o Reino Unido e os Estados Unidos entregaram este sábado uma nova proposta de resolução sobre o conflito sírio. O documento, redigido por Paris, foi entregue ao Conselho de Segurança menos de 24 horas depois do ataque militar contra três alvos sírios. É o regresso da diplomacia depois da ofensiva armada da madrugada de sábado. Em Moscovo, Vladimir Putin acusou alguns países do ocidente de terem violado leis internacionais e regras das Nações Unidas.

Depois da ofensiva armada, regressa a diplomacia. França, Estados Unidos e Reino entregaram este sábado no Conselho de Segurança um novo projeto de resolução sobre a situação na Síria. Este documento abrange as áreas química, humanitária e política e inclui a criação de um novo mecanismo de investigação sobre o uso de armas químicas no país.

Segundo a France Presse, o texto será ainda alvo de discussão na próxima segunda-feira, não sendo ainda certo quando será votado. A vontade das autoridades francesas é que o texto seja alvo de uma “verdadeira negociação” antes do voto.

O documento foi entregue menos de 24 horas depois de Estados Unidos, Reino Unido e França terem atacado três alvos em território sírio com mais de uma centena de mísseis. O objetivo, avança fonte diplomática, é mostrar que estas intervenção militar faz parte de uma “estratégia política”.


No que diz respeito às armas químicas, a proposta de resolução “condena fortemente o recurso a armas químicas na Síria, em especial o ataque de 7 de abril em Douma”. Propõe ainda que seja criado um “mecanismo independente” de investigação e atribuição de responsabilidades “sob os princípios da imparcialidade e do profissionalismo”.

A Rússia e a Síria continuam a negar que o regime de Bashar al-Assad tenha recorrido a armas químicas no conflito sírio. Moscovo tem ainda recusado que o mecanismo de investigação possa designar culpados pelo uso de armas químicas.

No sábado, o Conselho de Segurança chumbou uma proposta de resolução russa que condenava o ataque dos Estados Unidos, França e Reino Unido contra a Síria.
A Rússia criticou a “agressão” ocidental e pediu que fossem apresentadas provas do presumível ataque químico de Douma.

A proposta só recebeu os votos favoráveis da China e da Bolívia, para além da própria Rússia. Para ser aprovado, o documento precisava de ter pelo menos nove votos a favor e escapar aos vetos dos membros permanentes do Conselho de Segurança, nomeadamente o Reino Unido, a França e os Estados Unidos.


Na reunião do Conselho de Segurança, a embaixadora norte-americana nas Nações Unidas garantiu que os Estados Unidos estão prontos a agir novamente caso exista um novo ataque químico na Síria.

"Se o regime sírio usar gás venenoso outra vez, os Estados Unidos estão prontos a agir", disse Nikki Haley. A representante norte-americana disse ainda que Washington está confiante que o programa de armas químicas da Síria foi incapacitado.

“Estamos preparados para manter esta pressão, se o regime sírio for insensato o suficiente para testar a nossa vontade", disse a embaixadora dos Estados Unidos junto da ONU.

Antes, na rede social Twitter, Donald Trump falou em "missão cumprida" e referiu que o ataque foi "perfeitamente executado". A ministra francesa da Defesa também classificou a operação de "sucesso" e garantiu que a capacidade da Síria em conceber, produzir e armazenar armas químicas foi consideravelmente reduzida.

Na última noite, Vladimir Putin acusou alguns países do ocidente de terem violado leis internacionais e regras das Nações Unidas. O Presidente russo falou ainda ao telefone com o Presidente da Turquia. Ancara garante que o líder russo assumiu a vontade de reduzir a tensão e procurar uma solução pacífica e politica para a Síria.

Tópicos:

Conselho de Segurança, Estados Unidos, França, Nações Unidas, Rússia, Síria, ataque, guerra,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.