Síria. Theresa May passa à ofensiva no Parlamento

| Mundo

Theresa May, primeira-ministra do Reino Unido, segunda-feira 16 de abril de 2018
|

A primeira-ministra britânica prepara-se esta segunda-feira para novos ataques, desta vez políticos e internos. O Parlamento reabre após as férias da Páscoa e o Governo pediu uma sessão parlamentar de urgência.

O Reino Unido participou ao lado dos Estados Unidos e da França no ataque a alvos sírios específicos alegadamente ligados ao armazenamento e produção de armas químicas.

Theresa May quer explicar aos deputados a sua decisão de envolver o país nos ataques à Síria, na madrugada de sábado passado, sem lhes pedir autorização.
Perante a lei britânica, a autorização parlamentar não é obrigatória para este tipo de operação militar mas é hábito ser pedida.
May deverá explicar aos deputados que os bombardeamentos aéreos foram "do interesse nacional britânico" e visavam evitar mais sofrimento devido à utilização de armas químicas.

Deverá também sublinhar que tiveram um apoio generalizado da comunidade internacional.

A exigência de que os deputados confirmem que a participação britânica se justificou será outro passo importante, sobretudo em caso de novos ataques.
Na corda-bamba
O líder trabalhista, Jeremy Corbyn, pronunciou-se veementemente contra os ataques, classificando-os como "ilegais" e afirmando que nunca se deveriam ter realizado sem a aprovação das Nações Unidas - e da Rússia.

Já tinha também exigido a consulta parlamentar sobre a decisão de envolver o Reino Unido nas ações militares contra a Síria.

A primeira-ministra limitou-se a convocar quinta-feira de urgência o seu gabinete para dar parte aos ministros dos planos que se desenvolviam, e avançou após receber o seu apoio.

O debate deverá durar seis horas mas o mecanismo parlamentar não prevê qualquer votação vinculativa. Os deputados poderão no máximo confirmar a sua oposição às decisões de May, referindo apenas que o Parlamento "considerou a questão".

May pretende pedir aos deputados para votar sobre se foi ou não correto da parte do Reino Unido envolver as suas forças militares.

Esta segunda-feira, a secretária para o Desenvolvimento Internacional, Penny Mordaunt, referiu que teria sido uma "loucura" alargar aos deputados a decisãom, quando estes não podiam aceder a informações classificadas.

Um argumento que May poderá retomar no debate.
Pedir anuência ao Parlamento
A primeira-ministra britânica tem sustentado que os ataques não visaram reverter o Governo de Assad e que, em caso de reincidência, poderão realizar-se novas operações militares na Síria.

Por isso, poderá ser importante ter a anuência dos deputados de que as operações tripartidas de sábado foram justificadas.

May tem justificado a sua decisão de se aliar aos Estados Unidos e a França, dizendo que era necessário dar um sinal inequívoco ao Presidente sírio Bashar al-Assad, acusado de utilizar armas químicas na sua ofensiva contra os grupos armados de Ghouta Oriental, de que estas armas não serão toleradas.

Durante as suas explicações, a líder do Governo britânico deverá igualmente lançar mão do recente envenenamento com armas químicas do ex-espião Serguei Skripal e da sua filha Yulia, para defender a erradicação de tais substâncias.

Tanto o Governo sírio como a Rússia, o seu grande aliado na cena internacional, têm negado o uso de arsenais químicos.
Johnson no Luxemburgo
Esta segunda-feira, à chegada ao Luxemburgo para a reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, que terá em agenda o ataque tripartido, Boris Johnson sublinhou precisamente que a "guerra na Síria vai prosseguir" sem alterações devido aos ataques.

"É muito importante sublinhar que esta não foi uma tentativa de alterar o curso da guerra na Síria ou de provocar uma mudança de regime", disse o responsável pela diplomacia do Reino Unido. "Receio que a guerra síria vá prosseguir o seu caminho horrível e miserável", acrescentou.

Jonhson referiu-se aos ataques como sendo "o mundo a dizer que está farto destas armas químicas".

O Governo sírio do Presidente sírio Bashar al-Assad negou sempre a autoria de ataques químicos e os seus maiores apoiantes externos, a Rússia e o Irão, recusam igualmente responsabilidades no ataque químico alegadamente registado no passado dia 7 de abril em Douma, uma cidade de Ghouta Oriental às portas de Damasco.
Laboratório em Ghouta Oriental
De acordo com a agência de notícias iraniana Fars, o exército sírio descobriu este domingo em Ghouta Oriental um laboratório sofisticado de produção de armas químicas em Aftaris, numa área até há poucos dias controlada por grupos armados hostis a Assad.

Além de uma grande quantidade de materiais tóxicos e químicos, incluindo gás de cloro, terão sido encontrados uniformes de segurança, um grande número de mísseis, artilharia, granadas de morteiro e bombas.

Esta segunda-feira, a Rússia deverá participar da reunião da Organização internacional para a Proibição de Armas Químicas, a OPAQ, que enviou inspetores à Síria para confirmar o ataque de dia 7 de abril e identificar o tipo e a proveniência das armas químicas que terão sido utilizadas.

Tópicos:

Jeremy Corbyn, Síria, Theresa May,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.