SPD aceita negociar com Merkel sobre formação de novo Governo

| Mundo

Os social-democratas alemães aceitaram hoje iniciar negociações para formação de um novo Governo com a chanceler, Angela Merkel, para tirar a Alemanha do impasse político mas impondo condições drásticas, nomeadamente sobre a Europa.

No final de um debate longo e aceso, os 600 delegados do Partido Social-Democrata (SPD), reunidos em congresso em Berlim, decidiram encetar com os conservadores negociações cujo resultado, insistem, continua em aberto.

A partir da próxima semana, o presidente do SPD, Martin Schulz, irá reunir-se com a chanceler e presidente da União Democrata-Cristã (CDU) e com o líder do partido irmão da Baviera, CSU, Horst Seehofer.

Quase três meses após as eleições legislativas no país, Angela Merkel procura ainda um parceiro de Governo.

Muito prudente por ter sofrido uma derrota eleitoral nas legislativas de 24 de setembro, o SPD deixou todas as portas abertas.

"Nós não devemos governar a qualquer preço, mas não devemos recusar a qualquer preço governar", defendeu antes da votação Schulz, antigo presidente do Parlamento Europeu, que fora horas antes reeleito líder do partido a que preside há menos de um ano, com mais de 81% dos votos.

Tópicos:

SPD,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.