Taiwan avança com construção de submarinos e navios face à ameaça da China

| Mundo

Taiwan lançou hoje um projeto de conceção e construção de submarinos e navios de guerra numa cerimónia realizada na base naval de Tsoying, no sul da ilha, que contou com a Presidente Tsai Ing-wen.

Tsai presenciou a assinatura de um acordo de cooperação entre a Marinha, os estaleiros CSBC e o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Chung-Shan para o desenvolvimento e construção de submarinos e navios militares.

O projeto de construção de submarinos coincide com uma crescente retórica intimidatória por parte da China, tanto na frente política, para conseguir a união e combater a independência, como na militar, com o envio de barcos e aviões para as proximidades da ilha.

Segundo um relatório do Ministério da Defesa, apresentado na quinta-feira no Parlamento, Taiwan planeia aumentar os seus gastos em Defesa, adquirir equipamentos bélicos avançados aos Estados Unidos e intensificar o desenvolvimento de aviões, mísseis, submarinos e navios militares.

O desenvolvimento da sua própria frota de submarinos é um ponto importante na política de Defesa da Presidente Tsai face à recusa por parte dos principais fabricantes mundiais de submergíveis em vendê-los à Formosa devido à oposição chinesa.

A Presidente taiwanesa quer aliar o desenvolvimento de armas ao avanço tecnológico de Taiwan, por via da cooperação com o setor privado, e também promover a criação de empregos.

Atualmente, Taiwan dispõe de dois submarinos norte-americanos, relíquias da II Guerra Mundial, e de outros dois holandeses construídos no início da década de 1980.

Os Estados Unidos manifestaram há uns anos disponibilidade para cooperar no fornecimento de submarinos a Taiwan, mas o plano não saiu do papel devido a restrições aos fundos taiwaneses disponíveis, problemas técnicos e à pressão exercida por Pequim.

Taiwan espera contar com transferência de tecnologia norte-americana para o seu programa de desenvolvimento dos submarinos e navios militares, já que Washington é o principal fornecedor de equipamentos bélicos à ilha.

Tópicos:

Ciência, Tsai Ing,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.