Taiwan condena militarização no mar do sul da China

| Mundo

|

Taiwan condenou hoje a militarização no mar do Sul da China e desmentiu qualquer plano relativo ao uso pelos Estados Unidos da ilha de Taiping, situada naquelas águas e reivindicada por Pequim e outros países.

Em comunicado, a diplomacia da ilha defendeu a resolução das disputas "em conformidade com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar" e a liberdade de navegação e sobrevoo, ao mesmo tempo que pediu que se detenha a militarização na região.

"Taiwan nunca teve planos para permitir utilizar a ilha Taiping - situada no arquipélago das Spratly - a nenhum país estrangeiro, incluindo os Estados Unidos", lê-se no comunicado.

O Governo de Taiwan fez ainda um apelo à imprensa para que não divulgue "notícias falsas" que possam perturbar os laços com a China ou exacerbar as disputas no mar do Sul da China.

Por fim, reiterou a política de utilizar a ilha de Taiping para trabalhos de "ajuda humanitária e pesquisa científica internacional".

Taiwan controla duas ilhas no mar do sul da China, Pratas e Taiping, e é um dos países que reivindica a soberania sobre este espaço estratégico rico em recursos naturais, juntamente com a China, Vietname, Filipinas, Malásia e Brunei.

A informação mais vista

+ Em Foco

No mês do Mundial de futebol a RTP faz uma radiografia da vida na Rússia.

    Entrevista a António Mateus para o programa "Olhar o Mundo". Veja aqui.

    Um olhar aos altos e baixos da relação entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

      Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.