Temporal no Rio de Janeiro deixa pelo menos três mortos e bairros alagados

| Mundo

Pelo menos três pessoas morreram e várias ficaram feridas nas últimas horas devido a fortes chuvas que caem desde o início da madrugada de hoje na cidade brasileira do Rio de Janeiro, provocando inundações e deslizamentos de terra.

Segundo fontes oficiais, a tempestade deixou já vários bairros inundados, com rios a transbordar e várias ruas e avenidas intransitáveis.

Em algumas zonas da cidade choveu o esperado para todo o mês de fevereiro.

A zona norte do Rio e Janeiro foi a mais afetada e, em especial, o bairro Quintino Bocaiuva, onde as paredes de uma casa desabaram e causaram duas mortes.

De acordo com os Bombeiros, o veículo de um agente da Polícia Militar que circulava na zona oeste foi atingido por uma árvore que caiu devido à tempestade e também morreu.

A chuva deixou vários bairros da "cidade maravilhosa" inundados e sem luz, o que levou as autoridades da Defesa Civil a aumentar o alerta para a escala máxima.

A tempestade também causou a queda de árvores em pelo menos 20 ruas da cidade, o que interrompeu o trânsito em algumas das vias rápidas mais importantes do Rio de Janeiro, como a rodovia Grajaú-Jacarepaguá e a Avenida Brasil.

Outras, como a Linha Amarela, a Linha Vermelha e a estrada entre o Rio de Janeiro e a cidade de Petrópolis também foram inundadas.

A Avenida Ayrton Senna, localizada na zona oeste da cidade no bairro da Barra da Tijuca, sofreu enchentes que atingiram o metro.

A chuva na zona oeste também derrubou um troço da ciclovia Tim Maia.

O aeroporto internacional do Rio de Janeiro teve que suspender s operações por algumas horas e alguns voos foram desviados para outras cidades.

A tempestade durou mais de uma hora e apenas no início da manhã a situação começou a normalizar.

Para as próximas horas, há previsão de chuvas isoladas, de intensidade fraca a moderada, de acordo com o serviço meteorológico.

Tópicos:

Barra,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevista exclusiva de Rui Rio à editora de política da RTP Luísa Bastos.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.