Tensão China-Estados Unidos. Navios militares quase colidiram

| Mundo

|

Surgiram, na Internet, fotografias de dois navios militares prestes a colidirem em pleno Mar da China Meridional. Os navios foram identificados como sendo o USS Decatur, dos Estados Unidos, e o Lanzhou, da China.

Na sequência das quatro fotografias divulgadas pelo website gCaptain pode ser vista a aproximação do navio militar Lanzhou ao USS Decatur com o intuito de expulsar o navio norte-americano dos recifes de Gaven, uma área reivindicada pela China.

Momentos após a divulgação das imagens, o ministro dos Negócios Estrangeiros e da Defesa chineses acusaram os EUA de violarem e abusarem dos princípios de “liberdade de navegação” em alto mar. A China justificou também que as suas ações contra o USS Decatur foram “defensivas” e destinadas apenas a proteger a soberania do país.

O ministro dos Negócios Estrangeiros deixou ainda um aviso aos Estados Unidos: “Recomendamos vivamente que os EUA corrijam imediatamente os seus erros e acabem com estas ações provocatórias para não danificarem as relações entre os dois países”.

O Mar do Sul da China é uma vasta área oceânica, rica em recursos naturais e local de passagem para algumas das rotas comerciais mais importantes do mundo. Estas características fazem do Mar do Sul da China um alvo recorrente de conflito entre vários países da região que reivindicam o direito a ocupá-lo, incluindo a China. A presença militar norte-americana na região é motivo recorrente de protesto por parte de Beijing.

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.