Três mil ME anuais até 2030 podem acabar com casamento infantil e mutilação genital (ONU)

por Lusa
Ueslei Marcelino, Reuters

Cerca de 3,4 mil milhões de dólares (três mil milhões de euros) anuais até 2030 podem acabar com o casamento infantil e mutilação genital feminina, acabando com o sofrimento de 84 milhões de jovens, segundo a ONU.

A conclusão consta no relatório anual do Fundo de População da ONU (UNFPA, na sigla em inglês) divulgado esta terça-feira.

De acordo com a agência, um em cada cinco casamentos que ocorrem hoje é com uma jovem menor de idade, e estima-se que 4,1 milhões estão em risco este ano de serem submetidas à circuncisão feminina, também conhecida como mutilação genital feminina, uma prática condenada pelas Nações Unidas.

De acordo com o relatório Estado da População Mundial 2020, pelo menos 19 práticas prejudicam milhões destas crianças e jovens e são consideradas violações dos direitos humanos.

O relatório concentra-se nas três mais prevalentes: discriminação de género, casamento infantil e mutilação genital feminina.

De acordo com o relatório, "a preferência por filhos em vez de filhas pode ser tão acentuada que os casais se esforçam muito para evitar dar à luz uma menina ou deixam de cuidar da saúde e bem-estar de uma filha que já têm em casa em favor do filho".

O UNFPA designou a preferência por filhos como "um sintoma de desigualdade de género entrincheirada " que distorceu as proporções populacionais nos países, tornando incapaz para um grande número de homens encontrar parceiros e ter filhos.

A agência sublinhou que também pode exacerbar a violência de género, incluindo a violação, sexo coagido, exploração sexual, tráfico e casamento infantil.

Quanto ao casamento infantil, o relatório disse que a prática "é comummente imposta às crianças e jovens por membros da família, membros da comunidade ou da sociedade em geral, independentemente de a vítima dar ou ser capaz de dar consentimento completo, livre e informado".

Os casamentos de crianças são quase universalmente proibidos, disse o UNFPA, mas "ainda acontecem 33 mil vezes por dia, todos os dias, em todo o mundo - atravessando países, culturas, religiões e etnias".

No relatório afirma-se que 650 milhões de jovens e mulheres casaram quando eram ainda crianças e que outras 200 milhões sofreram mutilação genital feminina.

A diretora executiva do UNFPA, Natalia Kanem, disse que as leis por si só não são suficientes para acabar com estas práticas.

No relatório apela-se à reestruturação de economias e sistemas legais para garantir às mulheres a igualdade de oportunidades.

Como exemplo, defende-se a mudança das regras de herança de propriedade pode eliminar um poderoso incentivo para que as famílias favoreçam os filhos em detrimento das filhas e ajudar a eliminar o casamento infantil.

Tópicos
pub