Três pessoas morreram em dia de protesto e greve geral na Nicarágua

| Mundo

Pelo menos três pessoas morreram hoje na Nicarágua, em dia de greve geral de contestação ao Presidente nicaraguense Daniel Ortega e na sequência da grave crise sociopolítica no país.

Segundo o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos, três pessoas foram mortalmente baleadas hoje por milícias paramilitares pró-governo e há registo de incidentes violentos em vários redutos da oposição em redor da capital, Manágua.

A Nicarágua vive há mais de um mês a crise sociopolítica mais sangrenta das últimas décadas, com dezenas de protestos e barricadas que já causaram 161 mortos e mais de 1.300 feridos.

O Presidente Daniel Ortega e a sua mulher e vice-presidente, Rosario Murillo, são criticados por corrupção e abuso de poder e é-lhes exigido que abandonem o poder, que ocupam há onze anos.

A greve geral, de protesto contra a repressão do regime, foi convocada pela Aliança Cívica pela Justiça e a Democracia da Nicarágua.

A Aliança integra estudantes, representantes da sociedade civil e do setor privado.

Tópicos:

Nicarágua,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.