Trump chega ao Reino Unido com protestos à vista

| Mundo

O Presidente norte-americano já afirmou que “não se importa” com as manifestações que estão planeadas
|

Donald e Melania Trump aterraram esta quinta-feira em Essex, Reino Unido, onde um helicóptero os esperava para os levar até à residência do embaixador dos Estados Unidos em Londres. A visita oficial demorará quatro dias e decorrerá entre dezenas de protestos.

O Presidente norte-americano já afirmou que “não se importa” com as manifestações que estão planeadas. “Acho que gostam muito de mim no Reino Unido e que concordam comigo quanto à imigração”, declarou.

Apesar das crenças de Trump, a segurança vai ser reforçada e o Presidente vai evitar várias cidades britânicas, incluindo Londres, ficando assim isolado do público durante a maioria do tempo.

Um cartaz onde se lê “Donald Trump: o pesadelo dos Direitos Humanos” foi afixado pela Amnistia Internacional junto à embaixada dos Estados Unidos e, desde a chegada do Presidente, uma carrinha com a mensagem “Vai para casa ou enfrenta os protestos” tem estado a ser conduzida pelo centro de Londres.


A campanha da qual faz parte a carrinha foi organizada pelos grupos Another Europe is Possible e Global Justice Now.

Para sexta-feira está planeada uma manifestação feminina em Portland Square. Outras das principais manifestações decorrerão em Glasgow e Manchester.
Plano da visita
Esta quinta-feira o Presidente norte-americano e a sua mulher vão a um jantar organizado por Theresa May no Palácio de Blenheim. Estarão presentes cerca de 150 convidados, incluindo membros do parlamento e empresários.

Na sexta-feira May e Trump vão a uma base militar assistir a um exercício de contraterrorismo conjunto das forças militares britânicas e norte-americanas.

Irão depois deslocar-se até Chequers, onde fica a residência da primeira-ministra britânica, para se reunirem com o novo ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt.

Entre os assuntos a discutir encontram-se as trocas comerciais, o Brexit e a crise no Médio Oriente. Theresa May já avançou que esta visita será uma oportunidade para fortalecer a cooperação e a segurança entre os dois países.

No final do encontro com a primeira-ministra, Trump e Melania irão até Windsor para tomar chá com a rainha Isabel II. Passarão depois a apanhar o avião que os levará até à Escócia, onde vão passar o fim de semana num dos resorts de golfe do Presidente norte-americano. Esta parte da visita é considerada privada.

No domingo seguir-se-á o voo até Helsínquia, onde Trump vai reunir-se com Putin.
Brexit posto em causa?
Antes de abandonar a cimeira da NATO na manhã desta quinta-feira, Donald Trump afirmou que o Brexit está a dirigir-se “numa direção diferente” daquela que o povo britânico esperava.

“O Reino Unido está novamente a tornar-se parcialmente envolvido com a União Europeia”, declarou. “Não sei se foi nisso que as pessoas votaram”. “Gostava de vê-los a resolver a situação para que a mesma possa avançar rapidamente”, acrescentou.

Em resposta a estas declarações, Theresa May afirmou que está a “cumprir com o voto do povo britânico”.

Tópicos:

EUA, Protestos, Reino Unido, Theresa May, Visita, Donald Trump,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.